“O Caos no Corpo” será lançado quarta-feira

Dois poemas do livro “O Caos no Corpo”, de Carmen Vasconcelos, que será lançado quarta-feira, dia 25, a partir das 18h, na Siciliano do Midway.

TODO POEMA É PERJURO

Todo poema é perjuro,
todo poema é corpo.
E o corpo, este passante…
Por quanto tempo suportará o corpo
a decomposição da alma?
Que é alma, senão aquilo
que não se põe no poema?
Não é fácil compor a alma,
nem compor o verso,
o medo de existir nos acossa.
Acordei tarde por medo de existir,
o sono era grave, com pesadelos.
O medo de existir não cicatriza.

FINITUDE

Nem a delicadeza das harpas,
nem a fúria dos arpões.
Ninguém dentro de mim
me anima
a desafiar o acabar das coisas.
As mulheres da infância
preparavam brevidades
assim como os deuses nos amassam
com barro e melancolia
e faíscas de intimidação.
Não, ninguém me convence
a tentar o merecimento
do infinito
e nem mesmo do amor,
que infindo não é,
mas vago e breve,
e só resiste na memória
de instantes abolidos.

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Carmen Vasconcelos 24 de agosto de 2010 8:04

    Tácito, é a partir das 19h. De qualquer jeito, estarei lá antes disso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo