“passados na casca do alho”

Meu amigo Tácito Costa usa sempre uma expressão popular “passados na casca do alho”. É uma expressão muito bem humorada que significa alguém esperto, sagaz e matreiro. Também pode significar algo muito bem temperado e gostoso de comer. Nada como um pão de alho ou uma picanha ao alho. Quando for jantar no restaurante com a namorada ou namorado é bom combinar se vai comer alho ou cebola. Recomenda-se que a decisão seja coletiva. Se um não comer alho o outro não deve comer. O gosto e o hálito do alho são fortes. Os casais costumam combinar quando querem beijar. Muitos namoros acabaram por causa do hálito da pessoa amada.

Na medicina popular o alho é utilizado para combater muitas mazelas. As doenças respiratórias em geral. Mata vermes e reduz a glicose no sangue.

Na Espanha de Cervantes, o alho era um alimento de pessoas humildes e do campo. No livro “O Folklore nos Autos Camoneanos” (1950) de Câmara Cascudo, ele encontra nos Autos do Bardo português, a expressão “No Alho a Mis Male Culpa”, e comenta: “O Alho possui uma literatura universal e vasta. Seu olor afastava os feitiços e seres sobrenaturais. As mulheres e as amorosas o detestavam” Por seu odor forte os namorados evitam.

No Dom Quixote de Miguel de Cervantes, o protagonista da célebre novela recomenda ao seu escudeiro Sancho Pança “não comer alho para que não tomem por odor a sua vilania”. Vilania no sentido de qualificar pessoas humildes, pobres de nascimento, peão e camponês.

A tradição ibérica foi transportada para o Brasil na crença do poder do alho. A mula-sem- cabeça, a concubina do padre a caipora desembestam quando encontram alguém mastigando alho, registra Cascudo no Dicionário do Folclore Brasileiro.

Para os egípcios o alho é um símbolo mágico. No filme “Dança dos Vampiros” do Roman Polanski – na famosa cena do baile dos vampiros -, as bruxas e fantasmas são expulsos com o Allium sativum.

Então meus amigos e amigas. Comam alho para expulsar as bestas-feras, mas se forem namorar: avisem. Combine com o parceiro ou parceira.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 2 comments for this article
  1. Tácito Costa
    Tácito Costa 17 de Setembro de 2010 15:47

    Damata, tem esses significados todos, mas também de experiência na vida. Gosto mais de usar com esse sentido. abs

  2. Marcos Silva
    Marcos Silva 17 de Setembro de 2010 20:38

    João e Tácito:

    Ainda bem que não somos passados em banha de porco! Não é preconceito contra o simpático mamífero, é medo da gordura mesmo…
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP