”Serra deveria marcar sua diferença”

Por Caetano Veloso
O Globo

Achei que Serra ia perder quando o vi com a Sabrina Sato. A esta altura da campanha, isso parece ter sido há muito tempo. Ele dava uma de cafajeste: tentava parecer informal, igual a todo mundo, popular.

Esboçava, de modo desagradável, desmentir a fama de sério, de acadêmico. Tentava parecer o que não é. Bem, talvez ele seja mesmo cafajeste, mas não o é como homem público. Via-se ali já o equívoco de querer parecer grosso como Lula. Mas Lula é grosso do modo mais chique que pode haver.

Seus erros de português, suas metáforas cafonas, mesmo suas caneladas imperdoáveis em assuntos internacionais são a glória do Brasil. E, apesar de considerar de fato imperdoáveis falas como as respostas sobre os dissidentes cubanos, não usei a palavra glória aqui com nenhum traço de ironia.

Que o Brasil tenha eleito e aprove um presidente de origem humilde e pouco letrado é prova de que queremos mover-nos socialmente e de que não somos dominados por preconceitos linguísticos.

Mas Serra representaria todo o espectro da sociedade brasileira que, além de incluir os que têm preconceitos linguísticos, conta com muita gente que simplesmente está cansada do ideologismo desavisado dos que apoiam tudo do PT, do sintoma de regressão que representa o aspecto populista do culto a Lula e do fisiologismo que é desenfreado porque serve ao grupo que supostamente quer o bem do povo.

Serra seria o homem sério, o ex-ministro da Saúde que demonstrou competência e coragem. Sua origem humilde poderia ser sempre relembrada, mas para dizer (como Marina pode, com muito mais razão) que vir da pobreza não resulta sempre num mesmo estereótipo. Serra deveria ter-se oposto claramente a Lula, reafirmando-se como o homem intelectualizado que é, como a alternativa nítida ao lulo-petismo. Mas já se esboçava, na cafajestada com Sabrina, o Zé do horário gratuito.

Sou baiano, mas não sou publicitário. Dos sambas obras-primas de Caymmi que eram ao mesmo tempo jingles turísticos de Salvador nos anos 40 ao hilário hino do carnaval axé chamado We are Bahia, o baiano mostra que tem pendor para o reclame.

Nos anos 70, meu irmão Rodrigo foi a Minas. Voltou com brados de protesto: Minas tem muito mais arquitetura bonita do que a Bahia, as igrejas e as comidas são mais requintadas; se os mineiros fossem espalhafatosos como os baianos, não dava nem para entrarmos no páreo. João Santana é meu colega (foi letrista do Bendengó, de que Gereba era a cabeça musical) e meu camarada desde o final dos 70. Todos o chamavam de Patinhas, por causa do personagem de Walt Disney. Ele não tem nenhuma parecença física com o pato milionário.

Seus amigos antigos devem ter visto outras semelhanças entre ele e o velhote dos cifrões. Sempre me fascinou o verso final de uma canção sua: E haverá deuses na Terra e um homem no céu. O próprio Tropicalismo (primo da arte pop e irmão de Godard) usava elementos da publicidade. Houve quem maldosamente julgasse tratarse de pura jogada mercadológica.

Eu próprio pensava o contrário, de modo que me recusei sempre a fazer anúncio ou licenciar canções minhas para tal. Então minhas penadas sobre campanha eleitoral são essencialmente amadorísticas.

Por que comento algo ligado a elas, então? Porque gosto de entrar nos assuntos que fazem a conversa da cidade. E porque sempre suponho que algo de minhas percepções pode produzir sutis diferenças. Gosto de pertencer e meu pertencimento ao Brasil é algo de grande importância para mim. Não é nacionalismo. Em Santo Amaro, aos 17 anos, eu me dizia sueco.

Gostava de saber que no país escandinavo uma mulher casada que tivesse um eventual caso extraconjugal não só não seria apedrejada: ela simplesmente conversava sobre o caso com o marido, e ambos procuravam atravessar o ciúme e decidir seguir juntos ou separarse; amava que as meninas pudessem ter experiências sexuais com namorados ou amigos sem que isso lhes destruísse a vida; que a diferença entre os mais pobres e os mais ricos fosse mínima.

No Brasil, esta ainda é obscena; a legítima defesa da honra só foi descartada quando eu já tinha um filho grande; e só de pouco tempo para cá as meninas p o d e m t r a z e r seus namorados para dentro de seus quartos. Eu ainda me sinto um estrangeiro.

Não me identifico com a corrupção cordial nem com a hipocrisia racial. Mas meu compromisso com fazer o Brasil e não qualquer outro lugar modificar-se profundamente para tornarse ele mesmo é talvez o que mais me move. As conversas de apagar a ideia de estado-nação me soam fora do tempo. Servem a outras coisas que não ao que fingem servir. Servem a nações hegemônicas ou a internacionalismos de classe que só sabem produzir nações ainda mais opressoras.

Já eu quero que tudo mude. Por isso para mim conta se Serra foi cafa.

Marina disse certo sobre Lula e Dilma: O Brasil não precisa ser uma sociedade infantilizada. Querem infantilizar os brasileiros com essa história de pai e mãe. O Brasil não precisa. Mas ainda se presta a isso. Lula é pai. Dilma não tem nada de maternal.

Mas é a mulher dele. Ele é que a nomeia mãe. A vitória dela será dele. Mas não apenas ele tem mais crédito do que débito com o Brasil com que eu sonho: também ela pode ser mais técnica do que mãe quando agarrar o poder.

Em vez de temer ser o antiLula, Serra deveria marcar sua diferença. Podia não vencer, mas daria medidas a Dilma. Beleza é Marina.

Achei que Serra ia perder quando o vi com a Sabrina Sato. A esta altura da campanha, isso parece ter sido há muito tempo.

Comments

There are 6 comments for this article
  1. Altivo Campos 23 de Agosto de 2010 22:42

    Por muito tempo me deleitei com sua letras e músicas. Hoje, me decepciono com seus texto. Alguns jogam a toalha. Para mim, caetano jogou a tanga!

  2. Sílvio Andrade 24 de Agosto de 2010 8:37

    Caetano, como sempre, pretensioso. Texto chato. Não diz nada diferente das entrevistas que ele dá sobre tudo, que não diz nada.

  3. Sílvio Andrade 24 de Agosto de 2010 9:45

    No post anterior, escrevi pretensioso errado (pretencioso).

  4. Tácito Costa
    Tácito Costa 24 de Agosto de 2010 9:55

    Eu corrigi amigo, por isso deletei o coment que você enviou. abs

  5. Tales Costa 24 de Agosto de 2010 14:52

    Eu ia dizer, ontem, o que Sílvio disse hoje. Ele sabe abrir a boca para cantar como ninguém. Diz muito em pouco, ou seja, na música. Mas diz pouco, ou quase nada, em muito, isto é, quando abre a boca para falar de política, por exemplo, PRETENDENDO-SE crítico, intelectual, etc, etc. Mais ou menos como Pelé, quando abre a boca e fala do que não é do ramo da bola. Ambos falam pelos cotovelos. Coisa por coisa. Caetano, nem enfeitar (o texto) sabe. É preconceituoso (chamou Lula de analfabeto). Eu estranhava isso, mas agora já me dei conta: as “bichas” letradas são, muitas vezes, mais preconceituosas do que as não letradas.

  6. Tânia Costa 24 de Agosto de 2010 14:53

    Caetanto “só caga pela boca!” nos últimos tempos.
    Neste texto até que tenta mascarar sem êxito o seu já conhecido e odioso preconceito.
    Ó pai, ó!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP