10 de Junho / Dia de Camões

parem
ouçam
cessem todos os cantos
que hoje cantarei o poeta maior da raça portuguesa
Luis Vaz de Camões

Como somos pequenos!
diante de ti ajoelho
e contemplo
teus feitos
num dia 10 de junho encatastes ha 430 anos
e deixastes este poema de heroísmo e de beleza
poeta maior de
um canto molhado
que desagua e fertiliza todos os nossos cantares,
balbucios e arremedos

Por isso hoje celebramos o Dia da Raça
O Dia de Portugal e o
dia das comunidades de Língua Portuguesa

Salve meu Poeta!

a Camões / Manoel Bandeira

Quando n’alma pesar de tua raça
A névoa da apagada e vil trizteza,
Busque ela sempre a glória que não passa,
Em teu poema de heroísmo e de beleza.

Gênio purificado na desgraça,
Tu resumiste em ti toda a grandeza:
Poeta e soldado… Em ti brilhou sem jaça
O amor da grande pátria portuguesa.

E enquanto o fero canto ecoar na mente
Da estirpe que em perigos sublimados
Plantou a cruz em cada continente,

Não morrerá, sem poetas nem soldados,
A língua em que cantaste rudemente
As armas e os barões assinalados.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 − um =

ao topo