10 novelas essenciais da literatura potiguar no século XX

Foto Elisa Elsie

Por Thiago Gonzaga *

Em ordem alfabética:

1. Agora Lábios Meus Dizei e Anunciai, de Inácio Magalhães de Sena.

2. Cabra das Rocas, de Homero Homem.

3. Crônica da Banalidade, de Carlos de Souza.

4. De Como Se Perdeu o Gajeiro Curió, de Newton Navarro.

5. O Dia em que a Coluna Passou, de Eulício Farias de Lacerda.

6. Os Enteados de Deus, de Fagundes de Menezes.

7. Geração dos Maus, de José Humberto Dutra.

8. Palavras Manchadas de Sangue, de Francisco Sobreira.

9. O Que Aconteceu em Gupiara, de Bené Chaves.

10. Temporada de Ingênios , de João Batista de Morais Neto.

Com esta lista, completo o – digamos –tríptico (romance, conto, novela), com o roteiro seletivo da ficção potiguar no século XX. Ressalvo que outras boas novelas poderiam constar da lista, mas, como quis destacar apenas dez… Menino de Asas, do próprio Homero Homem um verdadeiro clássico infanto-juvenil, com mais de 25 edições; Três Espaços em Três Novelas de S.F. Gurgel Filho; Dormentes- A Festa da Serra Encantada, de François Silvestre; Romão Rei e o Roqueiro da Praça do Cid, de Gustavo Luz, resumiram mais alguns bons momentos desse gênero literário no século passado.

Assim como no romance e no conto, neste inicio de novo milênio também temos autores escrevendo novela em solo potiguar, embora sempre em número menor. Por exemplo, cito de memória, Cefas Carvalho (Ponto de Fuga), Geraldo Edson de Andrade, morto recentemente, (A Traficante do Morro do Careca), Damião Gomes (O Futurista), Aluísio Azevedo Júnior (Havana), e dois jovens, com menos de vinte anos, que são promessas, um de Mossoró; Thiago Galdino (Suspeitas de um Mistério),e o outro de Natal; Guilherme Henrique Cavalcante (A Imagem do Cão).

Temos muitos outros bons nomes produzindo literatura de ficção na atualidade; Tullio Andrade, Márcio Benjamim, Jeanne Araújo, são exemplos de revelações da ficção potiguar, (cito apenas os novíssimos ).

Por fim, saliento, como Manuel Bandeira comentou, certa vez, ao elaborar uma das suas antologias: querendo ou não, a seleção de peças para se fazer uma antologia, inclui o gosto pessoal do organizador. Porém, busquei ser imparcial e justo.

 

*Thiago Gonzaga é pesquisador, especialista em literatura potiguar pela UFRN e mestrando em literatura comparada pela mesma universidade.

Escritor, pesquisador da literatura potiguar e um amante dos livros. Editor da revista da Academia Norte-riograndense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo