15 anos da Samba


*Não consegui postar (é essa a expressão mesmo, François!) o vídeo promocional da festa comemorativa aos 15 anos da Samba. Segue, então, a matéria veiculada hoje no Diário de Natal, escrita por este blogueiro e por Lula, o Augusto. A foto acima é do amigo Alex Gurgel.

Beco da Lama comemora 15 anos da Samba

Se 1968 foi um ano que não terminou, para os natalenses, 1994 também continua em voga. Talvez pelos mesmos propósitos. Nestes dois períodos da história assistimos a luta pela liberdade. Seja pela alforria contra o regime militar, seja em prol da anarquia libertária. Naquele ano de 1994, o Brasil triufava com o tetracampeonato de futebol. O país assistia o renascimento do fusca, o nascimento do Real e a morte acidental de Ayrton Senna. Kurt Cobain provocou a sua. No Recife tão vizinho surge o Mangue Beat. Em Natal, Vanessa Gurgel é coroada a miss Rio Grande do Norte. E nos confins de um beco, à margem de tudo e por dentro de tudo, uma entidade era criada.

A sociedade denominada Sociedade dos Amigos do Beco da Lama e Adjacências (Samba) nascia com muitas artérias, veias e capilares repletas de vida. Desde a boemia até as mais prosaicas atividades comerciais, serviços de artesanato, residenciais e outras tantas e múltiplas atividades. Todas gravitando em torno do Beco da Lama seminal e sagrado por muitos. O único beco com jeitão de avenida e presenteado com uma sociedade criada para defender os interesses culturais, sociais e boêmios do bairro histórico e de seus moradores.

Nesses quinze anos a Samba passou por todas as crises. Seja do país, locais ou dela própria. Enfrentou quedas e subidas do dólar, pleitos eleitorais, troca e sumiço de seus gestores. Resistiu, fofocou e tagarelou sobre tudo isso. Quase sempre em mesas de bar no próprio Beco ou mais ainda em suas adjacências. E amanhã a entidade rememora a trajetória de 15 anos e continua mais viva do que nunca. Ressucitada, talvez. A comemoração festeja também a nova diretoria e novos tempos, após períodos nebulosos.

A grande festa comemorativa dos 15 anos de fundação da Samba começa às 18 horas e sem hora pra acabar. No decorrer da noite passarão pela praça da poesia (Jardim do Palácio da Cultura), próximo à sede da prefeitura municipal, ao som da banda do maestro Franklin Novais, os artistas: Fabão Boca Seca, Os Grogs, Pedro Mendes, Cabrito, Mc Priguissa, Tribunal Zen, Maguinho da Silva, Roda de Bambas, Du Souto, Rodolfo Amaral, Carlos Bem, Carcará na Viagem, Raul Cruz (da lendária banda Alcatéia Maldita), Isaque Galvão e Marcelus Bob.

“Não tem festa de aniversário, casamento e batizado que lhe deixe fora da comemoração. Se você estiver numa, saia à francesa, pegue o beco e corra. A festa estará lá, lhe esperando, imperdível e inimaginável”, recomenda o atual presidente da Samba, Augusto Lula, eleito no último 1º de maio. Augusto Lula também lembra que serão comercializados souvernir no local. E para fugir da mesmice, nada de camisetas, mas canecas com a impressão de obras de artistas potiguares. Na primeira leva há imagens de obras de Marcelus Bob, Falves Silva, Franklin Serrão, Fábio Eduardo, Marcelo Fernandes e uma foto de Manuel Dantas do Beco.

“Esse é um pensamento de campanha: fazer produtos culturais pra ver se a gente diminui um pouco o pires na mão e consegue um pouco de grana pra Samba ao menos ter um lugar pra morar”, disse o presidente Lula, não o da República, mas o da Samba libertária e docemente anárquica.

15 Anos da Samba
Data e hora: Amanhã, das 18h até o sol raiar
Onde: Praça da Poesia (Palácio da Cultura), Cidade Alta
Quanto: Acesso gratuito (leve 1kg de alimento não-perecível)

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + dois =

ao topo