1922 e o surf na maionese

O editorial “1922”, assinado por Vinicius Mota (FSP 12.3.2012), critica a Semana de Arte Moderna. Crítica é sempre necessário. Analisar direito o material criticado também.

Mota caracteriza o  “Losango caqui”, de Mário de Andrade, como repertório de “odes aos exercícios militares”. Será que ele já ouviu falar em ironia, riso crítico, avesso do avesso? Um trecho do referido poema longo:

“Mas porém da caserna dum corpo que eu sei

Sai o exército desordenado meu sublime…

Assombrações

Tristezas

Pecados

Versos livres

Sarcasmos…

E o universo inteirinho em continência!

…Vai passando

No seu cavalo alazão

O marechal das tropas desvairadas do país de Mim-Mesmo…”

Pois é, pois é.

Isso para não falar em identificar todo mundo, socialmente, à oligarquia cafeeira. Anita Malfati trabalhou como professora até morrer. Isso é oligarquia cafeeira? Mário de Andrade teve apoio de parentes mais endinheirados mas também trabalhava para sobreviver e reclamava de dívidas e mais dívidas.

Os colegas jornalistas (com graduação na área ou não) deveriam levar em conta elementos básicos de História antes de fazerem tais afirmações.

Sei que muitos jornalistas possuem cultura histórica. Mota não é um deles. A FSP não leva História a sério.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Marcos Silva
    Marcos Silva 12 de março de 2012 20:08

    PS – Mário de Andrade tem um poema chamado “Ode ao burguês”. Não é uma ode ao burguês!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo