7 fatos que parecem piada na cena cultural natalense

Natown é cidade bela, riquíssima em sua cultura popular, repleta de talentos em todas as artes. Mas há fatos do cotidiano local dignos de piada. O blog selecionou 7 deless, de última hora, só para catalogar este pequeno registro, simbólico, do dia-a-dia cultural da capital potiguar.

1. Livrarias fecham ou sobrevivem com atividades que não a venda de livros. É cômico. Enquanto a quantidade de publicações em Natal só cresce. Um paradoxo triste para a bibliodiversidade e que vai na contramão da pesquisa da Associação Nacional das Livrarias que aponta um mercado promissor do livro. É como se a vaidade de publicar um livro, por aqui, supere a vontade de ser lido.

2. Uma Sociedade chamada de ‘Amigos do Beco da Lama e Adjacências’ cuja diretoria é cheia de inimizades. Ou que provoca inimizades. Chega a ser hilário, para não dizer triste.

3. A Idearte ser considerada a melhor produtora de eventos do ano, com tanta gente produzindo tanta coisa linda. A empresa pertence ao produtor Amaury Jr, que saiu escorraçado da Funcarte, na gestão Rodrigues Neto e teve seu projeto junto à Unimed Natal, Grandes Shows Musicais de Natal, suspenso por suspeita de desvio de dinheiro. Vale a risada.

4. Um músico de descendência negra, cujo videoclipe exalta a cultura negra, ser considerado racista. Parece piada, mas não é.

5. O maior ponto turístico-cultural da cidade, tombado pelo patrimônio histórico nacional, a Fortaleza dos Reis Magos não possui uma linha de ônibus direta para lá. Vergonhoso!

6. O Fundo de Incentivo à Cultura incentivar a publicação de mil livros, exigir a doação de apenas 10% à Funcarte e proibir um montante de 900 livros restantes de venda, pelo autor! O incentivo à leitura seria do próprio autor, com suas centenas de livros entocados em casa. Que a Funcarte aumente o percentual de doação para 50% e construa uma boa logística de distribuição da obra. Escritor gosta de ser lido! Seria justo. E menos tragicômico.

7. Os nomes de maior projeção nacional das nossas artes, hoje, terem nomes “nada a ver” com o RN ou mesmo com a cultura nordestina: Abraham Palatnik e Clowns de Shakespeare. Mas são orgulhos do RN!

Comments

There are 6 comments for this article
  1. Anchieta Rolim 5 de Dezembro de 2014 9:49

    Poeta Jarbas Martins, a Paraíba é a terra das minhas origens, a família Rolim, coisa que muito me orgulha. Afinal, aqui no nosso estado tem vários paraibanos contribuindo e reforçando a nossa cultura… J. Medeiros, F. Silva, E. Alencar, A. Lopes e por aí vai… Viva, os Paraibanos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP