Neste sábado tem um inusitado encontro de petequeiros

Preservar e enaltecer fatos heroicos e históricos dos nossos antepassados indígenas e, por esse prisma, elevar a autoestima do povo potiguar. Este é um dos lemas do Grupo de Estudos Indígenas Ocarusupitã, que realizará, neste sábado, a partir das 14h, uma programação voltada à educação ambiental e à cultura indígena com um inusitado – para os não-indígenas – encontro de petequeiros.

O evento será realizado na Gamboa do Jaguaribe, em Igapó. É lá também o local de estudos do Grupo – um espaço de cinco hectares de mata e mangue, preparado para auxiliar as escolas no cumprimento das leis 9.795/99 e 11.645/08 que as obriga à pratica da Educação Ambiental e do ensino da História e Cultura Indígena.

A Gamboa está localizada nas proximidades do sítio histórico chamado Aldeia Velha, hoje Igapó, próximo à entrada da Redinha (rua novo paraiso s/n. bairro Salinas, próximo ao Alto da Torre). É o local onde foi batizado Dom Antonio Felipe Camarão, em 1612. Sendo hoje alçado a Herói da Pátria, titulo aferido pela lei 11.701/12, Camarão enche de orgulho o povo potiguar e de importância nacional para este sítio.

Iniciado no Dia do Índio deste ano, os trabalhos do Grupo, comandado pelo pesquisador Aucides Sales, tem atendido escolas, grupos de escoteiros, de camping, alunos e professores de escolas e universidades, fotógrafos, músicos e jornalistas interessados no tema.

Neste sábado, em particular, a programação incluirá o tal encontro de petequeiros a partir das 14h. A programação tem início com palestra e roda de conversa sobre Felipe Camarão e os indígenas do Rio Grande do Norte às 14h30, seguida por Roda de Peteca e outros jogos indígenas às 15h, pausa para lanche, depois canto e dança indígena às 16h e, para fechar, trilhas às 16h30.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo