Semana que vem tem o Festival Potiguar Vila da Cachaça

Sabor, aroma, música, cultura, gastronomia e boas doses da ‘branquinha’. É pensando em aliar todos esses fatores que a Casa de Produção realiza no próximo dia 17 (sábado), no Salão Nobre da AABB em Natal-RN, a primeira edição do Festival Potiguar Vila da Cachaça.

Com abertura marcada para as 10h, o evento inclui em exposição, shows, demonstração, oficinas, bate-papos.

O Festival é voltado para todos os públicos, maior de 18 anos, é claro.

Estarão presentes produtores, cachacistas, distribuidores, vendedores, estudantes e colecionadores.

O objetivo da organização do evento é o intercâmbio de informações entre iniciantes e iniciados.

Entre as marcas participantes estão: Punaú Prata, Pátria Amada Cachaça Nobre, Papary, Gabi Cravo & Canela, Maria Boa, Gota Serena, Coração de Alambique, Natal City, Extrema e Mucambo.

Os ingressos podem ser adquiridos no Cantinho Sertanejo, na Avenida Afonso Pena, 585 – Petrópolis.

Preços: R$ 50,00 (casadinha) e R$ 30,00 (individual).

Na compra do ingresso, o visitante ganha um copo para degustação das marcas em exposição.

cachaca-brasileira3Programação:

Feira Vila da Cachaça

Quitanda de Frutas com parceria da Ceasa

Boteco da Vila

Café com Letras, com participação da Livraria Nobel e Café São Braz

Galeria Itajubá com a exposição coletiva dos artistas plásticos, Ewiton Moura (fotografia), Novenil Barros (pintura) e Uilo Andrade (xilogravura).

Oficina Ação de Valorização das Cachaças Potiguares Carta da Cachaça, com Anderson Faheina, consultor SEBRAE

Oficina O uso da cachaça na gastronomia, com o professor de gastronomia, Marcelo Labre, da Universidade Potiguar

Destilação em Alambique Artesanal com alambique e alambiqueiro da cachaça Pátria Amada

Cachaça Literária em Intervenção litero-musical com o cordelista José Acaci, presidente da Academia Potiguar de Cordel

Drinks com Cachaça pela Open Drink’s

Shows com Dodora Cardoso e roda de samba com Diogo Guanabara e Marcos Souto.

Breve história da cachaça

Você sabia que ela é também conhecida como ‘água que passarinho não bebe’, e que acompanhou a história do país desde a chegada dos portugueses?

Existem várias versões sobre o aparecimento da bebida e entre elas a de um potiguar.

O historiador Luís da Câmara Cascudo, no livro Prelúdio da Cachaça traça uma retrospectiva na jornada da aguardente no Brasil, afim de descobrir como surge o costume e a tradição da bebida que “serve para tudo e mais alguma coisa”.

A história registra que a primeira ‘branquinha’ destilada por volta de 1532 em São Vicente, onde também se consolidaram os primeiros engenhos de açúcar do Brasil.

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP