Morre médico e imortal da Academia Norte-rio-grandense de Letras, José de Anchieta

O médico oftalmologista, coronel da polícia militar e membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras e também da Academia de Medicina do RN, José de Anchieta, morreu na madrugada de hoje, por vota das 0h45.

O velório teve início às 10h desta manhã no Centro de Velório São José, próximo ao Corpo de Bombeiros (Barro Vermelho). A missa de corpo presente será às 15h e o enterro, às 16h, no Cemitério do Alecrim.

José de Anchieta tinha 88 anos, ocupava a cadeira número 3 da Academia, cujo patrono era o conselheiro Brito Guerra.

A ANL conta agora com uma vaga em aberto, a cadeira nº 15 antes ocupada pelo jurista Fausto de Medeiros e, outras duas pendentes do necrológio: a dos médicos Ernani Rosado (cadeira nº 2) e, agora, de José de Anchieta.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. José de Castro 16 de novembro de 2016 10:48

    Interessante é que não vejo nenhuma menção à obra literária dele… Mas, a verdade, é que a Academia tem aspectos políticos que ultrapassam a literatura… A própria Academia Brasileira de Letras conta com personalidades que estão bem longe do campo literário…

    • Sergio Vilar 16 de novembro de 2016 11:09

      José de Castro, isso nem é segredo, inclusive. Na matéria publicada aqui mesmo no SP, o próprio presidente Diógenes da Cunha Lima atesta isso, que mais vale uma postura ética e tal, do que propriamente o valor literário. Diz ainda que se precisa de um livro de valor inestimável às letras potiguares, que não necessariamente de literatura. Lembremos aquele dicionário de Paulo Macedo. Então, há outros vieses para entrar na ANL. E aqui nem julgo errado nem certo, mas apenas o que o presidente disse há dez anos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo