A angústia da perda da identidade na sexualidade

Por Tales Costa

Segue artigo assinado por Augusta Cristina de Souza Novaes (*)

Com certa regularidade, pelo meu exercício profissional, deparo-me com a angústia em suas diversas manifestações e conteúdos. Nesse artigo, reporto-me à angústia que pode vir a ser desencadeada por experiências sexuais, qual seja: o medo da perda da individualidade, ou em outro termo, o medo da perda das próprias fronteiras subjetivas. Assim, a cada encontro/união sexual pode ocorrer-nos a sensação da dissolução da nossa individualidade. Entende-se aqui individualidade no sentido de “eu”, uma identidade sexual definida como homem ou mulher, expressa por uma personalidade afirmada, amadurecida.

A nossa individualidade surge progressivamente, por meio do nosso desenvolvimento, distinguindo-nos das outras pessoas. Trata-se também de pensarmos antropologicamente a individualidade, como sendo um dos valores da nossa cultura ocidental. Somos indivíduos, indivisíveis, e, nessa nossa condição, ocorre-nos algumas vezes a dificuldade de participação/partilha com o outro. A respeito das possíveis dificuldades sexuais femininas, a literatura fartamente comenta arte das fantasias inconscientes, as que poderiam afetar a plena satisfação sexual das mulheres¹. Escreveu-se muito também sobre a já tão desgastada discussão sobre o orgasmo clitoriano ou vaginal, que aqui nos absteremos de comentar por não se tratar do objeto da nossa reflexão.

Quanto à sexualidade masculina, convém lembrarmo-nos de Wilhelm Reich, que distingue o orgasmo da ejaculação², e Freud em Três contribuições à teoria do amor , em cuja obra, resguardada a devida distância, refere-se à impotência psíquica (que não se relaciona à impotência física) comum a alguns homens, que dissociam o sexo do amor, e assim tornam-se incapazes da felicidade sexual plena com as mulheres que amam, tendendo a depreciarem as mulheres desejadas. Num deslizamento à literatura portuguesa, temos Camilo Castelo Branco no romance Amor de salvação, que faz o seu protagonista dividir-se entre dois amores, a esposa e a amante, ilustrando bem Freud no opúsculo citado.

Percebemos que a angústia que o ato sexual pode suscitar refere-se ao quanto de entrega emocional-sexual cada sujeito se permite, pois, entregar-se ao gozo sexual é entregar-se a algo que escapa, a algo que não é apreensível por meio das palavras… Que está aquém de toda palavra (a experiência erótica é um mergulho no espaço arcaico da nossa subjetividade, espaço este anterior à linguagem). Resultante disso é a ameaça sentida pelos amantes da perda dos limites da própria individualidade pelo escambo afetivo com o outro. Afinal, foi a custo de muito sofrimento e lágrimas que se deu para cada um deles a separação da estreita união com a mãe, na passagem à condição de sujeitos. Daí o medo da dissolução da identidade diante das forças “mágico-demoníacas” do corpo, quando do entrelaçamento do corpo de um ao corpo do outro, atados que parecem estar por correntes imaginárias um ao outro, numa formação andrógina.

O amor e a sexualidade transportam os amantes às regiões primitivas do ser, mobilizando experiências inconscientes, fazendo-os temer ou até mesmo desejar tal entrelaçamento, daí a fonte da angústia e da defesa de homens e mulheres na experiência do prazer sexual. Trazemos de maneira inconsciente a saudade à vivência da não divisão. Saudades da experiência de termos sido indivisos. Pelo erotismo nos aproximamos desse estado de gozo, de plenitude.

Aproximamo-nos, mas do paraíso primitivo fomos expulsos, para entrarmos no domínio da linguagem, que é a nossa condição de possibilidade, para escrevermos nossas histórias de amor e desejo ao lado de outrem.

“sugar e ser sugado pelo amor (…) um gozo de fusão difusa transfusão (…)” Carlos Drummond de Andrade

(*) Augusta Cristina de Souza Novaes é ex-aluna do colégio Sagrado Coração de Jesus de Belo Horizonte, é psicanalista, bacharel em Filosofia pela UFMG e mestre em Letras com ênfase em literaturas de Língua Portuguesa pela PUC-MG. (novaesaugusta@ig.com.br)

ao topo