a Castanheira

Já não há mais a Castanheira centenária e guardiã
Só ( ficou) a lembrança e as Atas Diurnas do Historiador
de uma Cidade devastada
Não sei porque o coração quer guardar
o que a brisa e sombra carregaram

Pensar dói duas vezes
A Ribeira dorme o seu antigo glamour
Morta – a árvore- seiva que estanca em minhas veias

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo