A chave de tudo

chave

Me aguças, me atiças,
Fico assim… Querendo, querer-te
Me enfeitiças…

Me levas ao inferno do teu céu…
*
Me queimas, incomodas…
Tens a chave do meu sossego… Do meu desatino,
Do meu des-tino
Verso que, com saudades,
Rimo
*
Tens, do compasso, o meu coração…
Do meu calendário, o tempo
Do meu amar, a certeza
Da vida, o tema (teorema)
*
O absurdo: paradoxal,
Contraditório,
Sem razão…
Contra-senso.

(Ednar Andrade).

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Ednar Andrade 31 de agosto de 2011 20:45

    O absurdo: paradoxal,
    Contraditório,
    Sem razão…
    Contra-senso.

    A chave de tudo, querido.

    Obrigada mais uma vez, poeta.

    É bom chegar em casa, cansada do dia, e encontrar um comentário e constatar que alguém também pensa o mesmo.

    Abraço.

  2. Anchieta Rolim 31 de agosto de 2011 15:57

    Me levas ao inferno do teu céu… Ednar é ” A chave de tudo mesmo” poema brilhante. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo