A direita mostra a cara

Amigas e amigos:

Recebi as imagens anexas de Caio Navarro Toledo, filósofo e professor na UNICAMP. A barra está pesada.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Jóis Alberto 19 de novembro de 2011 13:21

    Mas esses cartazes não são coisas da extrema-direita? Ou são coisas da direita? Se for, compreende-se porque muita gente no Brasil, que é de direita, geralmente não se assume como tal. Acabei de ler um artigo muito bom de Caio Navarro Toledo sobre essas questões – “Folha reabilita o ideólogo da ‘ditabranda'”. O artigo de Toledo está no Portal Vermelho, que pode ser acessado pelo link:

    http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=168997&id_secao=6

    Já na Carta Capital, texto da colunista Clara Roman – confesso que essa é a primeira de quem leio o nome ou artigo – informa que, “estigmatizada, a PM paulista quer investir em Direitos Humanos”. A revista publica outros textos relacionados, dentre os quais o artigo “O que está por trás da PM na USP”, produzido pelo Centro Universitário de Pesquisas e Estudos Sociais (CeUPES), o centro acadêmico do curso de Ciências Sociais da FFLCH/USP; e o comentário “Ocupação patética, reação tenebrosa”, do colunista Matheus Pichonelli.

    Deplorável sob todos os aspectos que, numa época em que a Universidade assume cada vez mais um papel fundamental para que o País alcance maior desenvolvimento político, econômico e social, uma das principais Universidades do Brasil, a USP, esteja sendo palco desse tipo de repressão policial e violências. Como o Brasil poderá se orgulhar de boa produção intelectual acadêmica e de ser competitivo em ciência e tecnologia, ser reconhecido internacionalmente, com ações extremistas desse tipo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo