A doutrina do choque

Por Luís Fernando Veríssimo
ESTADÃO

A canadense Naomi Klein ficou conhecida com o livro No Logo, em que ela criticava a globalização e a rapinagem, pelo consumismo, do capitalismo sem fronteiras. No seu livro novo The Shock Doctrine, a doutrina do choque, ela sustenta que o capital internacional aproveita, quando não promove, o caos e a catástrofe para avançar políticas de mercado e o fundamentalismo neo-liberal.

Seus exemplos mais recentes , entre outros, são a invasão do Iraque – cujas primeiras ações foram batizadas pelo Pentágono de Operação Choque e Espanto – que abriu caminho para empresas americanas dominarem setores como o da segurança privada no país e as grandes petroleiras garantirem seus suprimentos; a “guerra” das Malvinas, que deu força e prestígio interno para a Margaret Thatcher completar sua revolução liberal na Inglaterra; o ataque ao World Trade Center, que justificou todos os excessos nas políticas interna e externa do Bush, inclusive a invasão do Iraque, e teve como benefício colateral o enriquecimento de empresas como a Halliburton, notoriamente ligada ao governo; as inundações causadas pelo furacão Katrina em Nova Orleans e pelos tsunamis na Ásia, nos dois casos, segundo Naomi, propiciando “novos começos” que favorecem mais interesses empresariais do que as populações atingidas. A autora também inclui o golpe contra Allende no Chile, a queda da União Soviética e o Massacre da Praça Tiananmem como exemplos de choques bem aproveitados pela doutrina, e não deixa de citar o Brasil – menos o golpe de 64 e mais a influência da escola de Chicago na sua economia, outro tipo de desastre.

O livro da moça foi chamado de exagerado e simplista, e não apenas pela direita. Mas mesmo críticos concordaram que a sua tese, se não é vera, é bem bolada. Como ela se aplicaria ao Brasil do caos no Rio e da catástrofe na serra? A intervenção militar e a “pacificação” dos morros do Rio só recebe elogios, merecidos, mas eles adiam um pensamento mais consequente sobre o que aconteceu. E o que aconteceu de historicamente mais importante foi a mobilização das forças armadas brasileiras para uma missão inédita, com a concordância e sob aplausos de todos, sem que se ouvisse um “peraí um pouquinho”. Ontem o inimigo foi o tráfico sublevado, amanhã de onde virá a ameaça de caos, e quem aproveitará sua supressão? O precedente está estabelecido. Quanto à tragédia nas cidades serranas, o “novo começo” pressupõe novo rigor nas licenças para construção e uma ocupação mais racional da terra. Quer dizer: nada que diga respeito ao pobre obrigado a erguer seu barraco num barranco deslizante por absoluta falta de alternativas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 3 =

ao topo