A Exploração Global

Meus Amigos e Amigas,

É impressionante como as editoras e a indústria cultural exploram os mortos famosos. Moacy já mostrou o crime que foi cometido com o Dicionário Cascudo. A editora Global tem sido pródiga nesses crimes. Obras são mutiladas e desdobradas ao infinito.

Nem Gilberto Freyre, que tem uma Fundação para defender seus direitos autorais, escapa. Acho mesmo que há conivência.

Encontrei um belo livro / capa dura/ edição de luxo com as pinturas infantis do Gilberto Freyre. Tà certo que o homem era hedonista, mas fazê-lo pintor, é demais. Desenhos muito fraquinhos.
Estive na Casa de Gilberto/ Fundação Gilberto Freyre e adquiri um livro muito bem editado em capa dura “ De Menino a Homem”.
O livro, encontrado por traz de um santo, prometia trazer revelações surpreendentes, para alem daquela entrevista para a Playboy em 1980. Comprei o livro editado pela Global e termino de ler. Nada de novo para alem de um culto exagerado ao homem dos olhos brilhantes, sinal de inteligência – claro. Livro de memória, escrito na maturidade. Descartável.
De novidade para mim só saber que foi Luiz Jardim quem datilografou os originais do livro denominado memória coletiva Casa-Grande & Senzala, e as rápidas experiências homossexuais do autor com éfebos, na Alemanha e Inglaterra.
Como diz o poeta, de tudo resta um pouco.
De todo livro lido, algo fica.
Gostei de saber que a grande brasiliana do Branner em Stanford (USA), foi muito útil pra Gilberto na feitura do livro Casa- Grande & Senzala.

Outras editoras fazem pior: Editam os clássicos e não dão os créditos. Não dizem de quem é a tradução e não mencionam a editora original.

Já vou avisando, quando eu morrer, só editem o que eu deixar autorizado.
“ Segredos é pra quatro paredes”

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + três =

ao topo