A filosofia da rotina

Entrevista com Zygmunt Bauman

Nós conhecemos mais a alegria das coisas duráveis, fruto de trabalho. O grande sociólogo explica como os laços foram substituídos por “conexões”. E acrescenta: “Toda relação permanece única: não se pode aprender a querer bem”. Desconectar-se é apenas um jogo. Fazer amigos online requer empenho.

A reportagem é de Raffaella De Santis, publicada no jornal La Repubblica, 20-11-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

aqui

Comments

There is 1 comment for this article
  1. João da Mata
    DAMATA 27 de Novembro de 2012 17:51

    Cose che abbiamo in comune com Zygmunt Bauman

    Così fan tutte – assim todas elas fazem

    Vivemos uma “modernidade líquida” diz Zygmunt Bauman.
    A relação trabalho- empregador- mais valia, se transformou numa sociedade de consumo.
    Somos obrigados a aceitar a Lei do Mercado, que existe para alem de nossas forças.
    O passado pesa.
    Existem duas premissas para a felicidade: Segurança e Liberdade
    Somos livres? E daÍ?
    Com que critérios e valores temos essa liberdade? Partindo do nada igual a solidão
    Romper relação é difícil.
    A coisa mais difícil é desconectar
    No mundo moderno desconectamos facilmente. Nas redes sociais, nos tantos amigos que pensamos ter, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP