A guerra do BC argentino

“A demissão do presidente do Banco Central da Argentina Martin Redrado coloca em xeque um dos pilares de um arcabouço institucional que, nos últimos anos, em muitos países transferiu do Executivo para o mercado a gestão da política monetária”. Luís Nassif

aqui

ao topo