A hora do pesadelo

Resultado de pesquisa divulgada recentemente revela o que é perceptível a olho nu ou sentido na pele, principalmente, dos mais pobres. Natal está atolada em dificuldades e sem rumo. Escolas e creches fechadas. Greve. Serviços de saúde precários. Buracos e lixo por todo canto. Educadores sem receber vales-transportes. A cultura fechou para balanço, com dívidas que chegam a R$ 900 mil.

Aliás, o calote se generalizou. A prefeitura deve, reconhece, mas não sabe quando pagará. No entanto, continua contratando novas obras e colocou em prática um plano de cargos e salários do funcionalismo, que onera ainda mais os combalidos cofres do município.

Ninguém discute a justeza desse plano de cargos e muito menos de obra como a do Parque da Cidade. Mas, em nome da sensatez, não seria o caso de se esperar um pouco mais, quando as contas estivessem minimamente equilibradas?

Para mim, nada disso é tão surpreendente assim. Há dois anos, em artigo publicado aqui, disse que Natal precisaria passar por Micarla de Sousa. É provável que um ou outro de vocês lembre desse texto.

Faltando dois anos para o fim do mandato, a gestão municipal já é um caso exemplar de insucesso administrativo. Quando não tem problemas, os secretários e assessores inventam. Nisso, mostram uma esquisita competência.

Afinal, o que não é estranho nessa gestão?

A média de mudança de secretário foi de quase um por mês nestes dois anos. A desorientação é tanta que os secretários que dão certo são substituídos, como ocorreu na Saúde e na Semurb.

Cientistas políticos, psicanalistas, irmã Jaciara, a gente comum e até o famoso Polvo da copa quebram a cabeça buscando entender os descaminhos da prefeita e sua troupe. Falam em vaidade e deslumbramento excessivos. Politicagem. Escolhas equivocadas. Imaginaram que governar Natal seria como gerir a Tv Ponta Negra, que pertence à família da prefeita. Incompetência geral. São muitas as explicações.

O que é palpável mesmo é que a administração da cidade ficou em segundo plano. A preocupação da prefeita, tudo indica, é eleger como deputados o marido, radialista Miguel Weber, um entusiasta de Luta Livre, a irmã e ex-secretária municipal Rosy de Sousa, e o apresentador de programa policial na emissora da família, vereador Paulo Wagner.

Achando pouco, Micarla de Sousa ainda empresta seu apoio ao grupo liderado pelo senador José Agripino e por sua candidata ao governo Rosalba Ciarlini, do DEM. Ambos, com boas chances de vitória.

Em resumo, o pesadelo que, por enquanto, está restrito a Natal, com o apoio de Micarla poderá atingir todo o estado. Por isso, além de votar, reze e faça promessa. O futuro se desenha sombrio.

Leia “Eleitores em xeque-mate”, sobre a sucessão estadual no RN, aqui

Comentários

Há 11 comentários para esta postagem
  1. Tássia 21 de agosto de 2010 12:59

    De fato, não há como não concordar com as afirmações contidas em seu artigo.
    Só espero, que a população não se vislumbre com essa carinha de boa moça novamente.
    Só para demonstrar mais uma vez a desorganização intríseca a essa adminstração, fizeram o favor de modificar as paradas de ônibus sem que os interessados pudessem tomar conhecimento. Muitos, assim como eu, ficaram esperando ônibus (diga-se de passagem que só passam de 40 em 40 minutos) na parada errada e o mesmo, assim como ordenado, passou direto, ou seja, no primeiro dia de mudança acabei chegando cerca de 1 hora atrasada no trabalho, em razão da ausência de informação!

  2. Cláudio 20 de agosto de 2010 16:26

    Assino embaixo.

  3. Tânia Costa 19 de agosto de 2010 11:20

    “Eleitores em xeque-mate”.
    Texto sobre o panorama político no RN extremamente lúcido.
    Jogo de cartas marcadas.

  4. Ramilla 18 de agosto de 2010 21:32

    Ah! Genial a escolha da foto.

  5. Ramilla 18 de agosto de 2010 21:31

    Um texto muito lúcido, Tácito, sobretudo, quando você diz que Natal precisava passar por Micarla. Esta cidade merecia passar por este baque, quem sabe pra votar menos focado em aparências e preconceitos. Com todos os seus defeitos, duvido muito que Fátima Bezerra fosse capaz de cometer um terço das bobagens que a Micarla vem fazendo.

    P.S.: Às vezes me pergunto se a prefeita tem algum problema mental ou vive em um redoma de vidro pra não reparar neste desastre…

  6. Elson Vitorio 18 de agosto de 2010 19:22

    Não votei em Micarla, tampouco votarei em Rosalba, mas acho um mero reducionismo tentar achar que uma vai ser igual à outra. A extrapolação é tendenciosa e denuncia o autor do texto como eleitor de Iberê ou estarei enganado?

    • Tácito Costa 19 de agosto de 2010 9:05

      Prezado Elson,
      No final deste texto sobre a gestão Micarla, tem um link que remete para um artigo (“Eleitores em Xeque-mate”) sobre a sucessão estadual, onde exponho minha opinião sobre a eleição para o governo do estado. Se tiver tempo dê uma olhada. Abs.

  7. Alex de Souza 18 de agosto de 2010 15:22

    Só discordo do artigo em um ponto: não dá para culpar o funcionalismo pelo gasto público. Essa é uma balela antiga usada principalmente por quem defende terceirização e a ausência do Estado em áreas estratégicas para servir à população.

    Na verdade, um plano de cargos e carreiras bem estruturado ajuda muito mais que atrapalha, uma vez que o governante pode prever quanto será necessário reservar para reajustes salariais e, se bem aplicado, o funcionalismo deixa de ter a defasagem salarial como desculpa para as greves corriqueiras.

  8. Paulo Jorge Dumaresq 18 de agosto de 2010 13:50

    Esperar mais 18 anos pelo Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos?
    Só quem é funcionário público municipal sabe como esse plano é importante para a categoria.
    É bom lembrar que nenhuma gestão “socialista” à frente da Prefeitura de Natal teve vontade política, coragem e sensibilidade de implantar o PCCV.
    Pelo menos Micarla está tendo.
    Agora, se vai cumprir é outra questão.
    Ah, concordo com o comentário sobre a atual gestão da Capitania das Artes.
    No mínimo, um lixo.
    Também com um presidente medíiocre daquele não dá para esperar muita coisa.
    Abraço, Tácito.

  9. tete bezerra 18 de agosto de 2010 13:38

    Tácito,ao ver o desmando da administração da borboleta eu me lembro exatamente do textro que vc publicou em 2008 e como você foi preciso e visionário.Nem eu imaginava que o descalabro ia ser tão grande como o que vemos hoje.O que me deixa ainda mais triste é ver que novamente estamos caminhando para outro desastre igual ao que nos aconteceu em 2008.

  10. João da Mata 18 de agosto de 2010 11:36

    Caro Tácito,

    pesadelo é pouco.
    Veja o secretariado. Parece que a prefeita nem liga para o caos que se instalou nessa cidade.

    Seria bom que aqueles que a apoiaram se manifestassem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo