A Internet e o fim da arte contemporânea

“Folheando números antigos da “The New Yorker”, percebi que alguns ensaios, fotos e anúncios têm muito em comum, apesar da aparente diversidade. E todos, de alguma forma, mostram de forma clara como a Internet transformou (e transtornou) nossas sólidas noções de arte, a partir de sua explosão definitiva, nos últimos dez anos do século XX. Não creio que seja hoje possível, para quem procura visualizar o futuro, ter qualquer ideia do que vem por aí, em termos de artes visuais, música ou literatura. Talvez a única certeza, ou tendência a vislumbrar, seja a de forte perplexidade, tanto dos artistas quanto do público, pelo menos até o final da próxima década.” SEBASTIÃO NUNES

aqui

ao topo