A Legitimação do Excesso e o Chocalho

Charles M. Phelan *

No Brasil, para o povo (diga-se vasta maioria), a figura do “Estado Democrático de Direito” tem, nenhum, ou pouco significado. O que menos é inferido da expressão é a relação entre o Poder e o Indivíduo.  Pior que isso, trata-se do desconhecimento da força que o indivíduo detém, mediante o poder do sufrágio, para alterar o destino do seu município, do seu estado e, sobretudo, do seu país. Contrariamente, ao pinçar as palavras “Democrático/Democracia”, a população menos esclarecida parece distorcer o real valor semântico dos vernáculos, confundindo-os com o pseudo-sinônimo de “fazer o que quiser”, aplicando o conceito popular de que se é uma democracia, logo, “tudo pode”. E nesse contexto de que “tudo pode”, surge o abusivo número de agremiações partidárias criadas no país, nem tanto para exercer o Princípio do Pluralismo Político, alçando a possibilidade de ideologias que contemplem a coletividade, mas, como haveria de ser em lugares onde “tudo pode”, para criar uma pletora de partidos de ideologias obscuras (se é que há ideologia) que passam longe do conhecimento geral da população.

Vejamos o número de partidos existentes (em nenhuma ordem específica) e outros tantos que pleiteiam suas legalizações (se já não foram legalizados desde a confecção deste artigo): 1) PMDB (partido do movimento democrático Brasileiro); 2) PTB (Partido Trabalhista Brasileiro); 3) PDT (Partido Democrático Trabalhista); 4) PT (Partido dos Trabalhadores); 5) DEM (Democratas); 6) P C do B (Partido Comunista do Brasil); 7) PSB (Partido Socialista Brasileiro); 8) PSDB (Partido da Social Democrática Brasileira); 9) PTC (Partido Trabalhista Cristão); 10) PSC (Partido Social Cristão); 11) PMN (Partido da Mobilização Nacional); 12) PRP (Partido republicano Progressista); 13) PPS (Partido Popular Socialista); 14) PV (Partido Verde); 15) P T do B (Partido Trabalhista do Brasil); 16) PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro); 17) PP (Partido Progressista); 18) PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados); 19) PCB (Partido Comunista Brasileiro); 20) PHS (Partido Humanista da Solidariedade); 21) PSDC (Partido Social Democrata Cristão); 22) PCO (Partido da Causa Operária); 23) PTN (Partido Trabalhista Nacional); 24) PSL (Partido Social Liberal); 25) PRB (partido Republicano Brasileiro); 26) PSOL (Partido Socialismo e Liberdade); 27) PR (Partido da República);

Os seguintes partidos encontram-se em processo de legalização: 28)     Libertários (LIBER); 29) Movimento Negação da Negação (MNN); 30) Partido da Juventude Democrata Cristã (PJDC); 31) Partido da Mobilização Popular (PMP); 32) Partido da Mulher Brasileira (PMB); 33) Partido da Real Democracia (PRD); 34) Partido da Transformaçao Social (PTS); 35) Partido de Representação da Vontade Popular (PRVP); 36) Partido do Movimento Democrático Cristão (PMDC); 37) Partido do Esporte (PE); 38) Partido do Terceiro Setor (P3S); 39) Partido Ecológico Nacional (PEN); 40) Partido Federalista (PF); 41) Partido Geral dos Trabalhadores do Brasil (PGT do B); 42) Partido Humanista (PH); 43) Partido Liberal Democrata (PLD); 45) Partido Livre (LIVRE); 46) Partido Nacional do Consumidor (PNC); 47) Partido Nacionalista Democrático (PND); 48) Partido Nacionalista Brasileiro (PNB); 49) Partido Pátria Livre (PPL); 50) Partido Progressista Cristão (PPC); 51) Partido Cristão (PC); 52) Partido Republicano Operário (PRO); 53) Partido Social (PS); e, por fim, 54) Partido Socialista da República (PSR). Advertindo que existem mais agremiações politico partidária sem registro de qualquer sorte,

Fonte da lista de partidos: http://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_partidos_pol%C3%ADticos_no_Brasil

Perplexo? Num país onde o analfabetismo reina, e um largo segmento votante da população sequer sabe o seu A,B, Cê, imaginem poder decidir dentre as mais variadas “ideologias” (siglas-partidos). Nesse sentido, resta à população tão somente a observação da “propaganda eleitoral obrigatória”, que, como um cesto de vime (na prática indiana), prestes a expor seu conteúdo, mesmeriza, ao som de flautas imaginárias, com encantos e retóricas, ele ─ O ELEITOR ─ que infelizmente, hipnotizado, não ouve o chocalho de advertência. Aí é tarde demais!

Enquanto for permitido o excesso pelo excesso, o perigo estará por perto. Não existem cinqüenta tipos de ideologia partidária, há ideologias que se prestam a servir desejos individuais, e a busca por Shangri-la.

Por fim, deve-se ficar atento para o sibilar (Sssssss) da retórica e o chocalho da cesta.

* Escritor e Advogado

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo