A princesa triste e o jornalista historiador

Sou mesmo um extemporâneo. Li 1822 antes de ter lido 1808 e perdi a palestra que Laurentino Gomes fez na Siciliano, lá no ponto G5 do Midway Mall. Queria lhe ter feito alguns questionamentos…

Paciência!

O fato é que tenho gostado demais da fórmula encontrada por esse jornalista paranaense, que, sem ranços academicistas (sofreu, inclusive, patrulhamento do setor), consegue contar uma história comum a pelo menos dois países, Brasil e Portugal, sem cansar o leitor e trazendo novos enfoques que nos destacam grandes personagens dessa saga, libertos que se fizeram de uma visão unívoca e/ou maniqueísta.

No caso do relato de 1822, gostaria de chamar a atenção para uma personagem deliciosa e estranha: a Princesa Leopoldina.

Essa mulher foi uma princesa sofrida e que não contou sempre com o bom tratamento e compreensão esperados de Dom Pedro I. No livro, fica claro que a princesa melancólica e interessada em atividades e assuntos de erudição teve um papel importante, juntamente com José Bonifácio, na decisão do Imperador gritar “laços fora” e declarar nossa Independência nas imediações do Ipiranga.

Fiquei, sinceramente, fascinado pela Princesa Leopoldina. Pretendo procurar mais material sobre a mesma (Se Marcos Silva tiver alguma sugestão, aceitarei de pronto).

Por sinal, a morte da Princesa Leopoldina foi um dos episódios mais tristes que vi relatado no livro. Leopoldina poderia mesmo ser considerada uma heroína e mártir de nossa Independência. Leiam e saberão o porquê.

p.s. Uma das maiores decepções que tive em minha vida foi a de ter estado no Museu do Ipiranga quando o mesmo se encontrava de portas fechadas. Deixei de realizar o meu sonho de ver a grande obra (“O Grito do Ipiranga”) do paraibano Pedro Américo (no livro de Laurentino, dê-se destaque, sugere-se uma certa possibilidade de se tratar de um plágio, mesmo havendo inúmeros motivos para discordar disso).

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =

ao topo