A queda de Rodrigues Neto

E Rodrigues Neto caiu. A notícia não mereceu um coment sequer aqui no SP. Lá no blog do Sérgio Vilar, rendeu uns cinco, três em um post e dois em outro, que tratavam do mesmo assunto. Isso dá bem a medida da importância atual da entidade para a cidade.

Em entrevista a Vilar, acho que no mês passado, Neto culpou a imprensa “marrom” pela crise na Funcarte. Nem sabia que ainda se usava esse termo, estou mesmo desatualizado. Deve continuar batendo nesta tecla.

A Funcarte é a mais perfeita tradução da gestão Micarla de Souza. Populismo com desordem administrativa. Na cultura, isso virou um “samba do afro-descendente doido”.

É certo que a Neto deixou a Funcarte. Mas a instituição ainda lhe dará algumas dores de cabeça. A carta/denúncia, assinada pela consultora Ilana Félix (aqui), que será entregue ao Ministério Público renderá boas dores de cabeça ao ex-presidente.

Para o lugar de Rodrigues Neto foi indicado Roberto Lima (foto). Ocupava a Secretaria Municipal de Gestão de Pessoas, Logística e Modernização Organizacional (Segelm). O gosto pelo pomposo vazio impera nos mínimos detalhes desta administração.

Parece-me que é uma pessoa de fora do setor cultural. Não conheço. Pela secretaria que comandava, está ligado à burocracia. Diante das denúncias que a Funcarte terá de responder ao Ministério público talvez seja mesmo a pessoa indicada. E assim, se passarão mais dois anos.

A regra nessa administração tem sido essa: “as pessoas erradas nos lugares errados”. Isso resultou em trocas quase mensais de secretários. Para evitar vexames o uso do crachá tornou-se obrigatório, é a única maneira de saber quem ainda permanece secretário.

Bom, Micarla só tem mais dois anos de mandato. Ufa! Alguns poucos crédulos continuam esperando que ela comece a administrar. A essa altura prefiro que ele fique parada, não faça nada, absolutamente nada, isso facilitará a reconstrução de Natal. TC

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 2 =

ao topo