A surdez de Beethoven

Nesta quinta-feira, 10, se comemora o Dia Nacional de Promoção e Combate a Surdez. Por e-mail recebemos o texto abaixo, enviado pela professora Sheila Andreoli, com pedido de publicação.

*********

Por Thawann Malfatti (Discente do Curso de Fonoaudiologia, UFRN) e Sheila Andreoli Balen (Docente do Curso de Fonoaudiologia, UFRN)

Grande parte da sensibilidade do ser humano, da percepção de mundo, da exploração do ambiente acontece graças à visão. Temos uma grande quantidade de fibras nervosas e uma fabulosa área de processamento para esse tipo de informação. Porém, para algumas pessoas, existem sentidos mais importantes.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) foi um compositor muito conhecido por suas maravilhosas obras, e por ter sido surdo. Hipotetiza-se a partir de documentos que a surdez de Beethoven iniciou-se por volta dos 26 anos. Ele mesmo descrevia que sentia falta dos sons agudos e que se incomodava com sons de alta intensidade.

Com os recursos da época, infelizmente, não foi possível esclarecer qual era a causa da deficiência auditiva de Beethoven. O que se sabe é o grau da deficiência auditiva foi progressivamente aumentando. Mas essa é a visão clínica da audição de Beethoven. Podemos ter uma idéia da visão do próprio compositor sobre sua audição em seu testamento:

“(…) Nascido com um temperamento vivo e ardente, sensível mesmo às diversões da sociedade, vi-me obrigado a isolar-me numa vida solitária. Por vezes, quis colocar-me acima de tudo, mas fui então duramente repelido, ao renovar a triste experiência da minha surdez! (…) Não me era contudo possível dizer aos homens: “Falai mais alto, gritai, pois eu estou surdo”. (…) Mas que humilhação quando ao meu lado alguém percebia o som longínquo de uma flauta e eu nada ouvia! Ou escutava o canto de um pastor e eu nada escutava! Esses incidentes levaram-me quase ao desespero e pouco faltou para que, por minhas próprias mãos, eu pusesse fim à minha existência.(…)”

Mesmo surdo, Beethoven continuou compondo, apesar de deixar as funções de diretor musical. Curiosamente, grande parte das obras mais importantes foram escritas durante o período da surdez. Provavelmente, a surdez permitiu ao compositor transmitir alguns sentimentos que seriam impossíveis de serem transmitidos para a pauta em condições normais. O isolamento social, o aprisionamento em um mundo de silêncio, associados a todo o conhecimento teórico e prático, com certeza influenciaram em suas composições.

Hoje, com a inclusão da presença de fonoaudiólogos que atuam na reabilitação auditiva de indivíduos com deficiência auditiva irreversíveis, é possível adaptar aparelhos de amplificação sonora individual ou implante coclear. Assim, pode-se “reaprender a ouvir”, reduzindo os impactos psicossociais nas suas vidas. Talvez Beethoven pudesse ter sido mais feliz ao final da sua vida, mas nunca saberemos se suas composições seriam melhores ou piores. A dúvida ficará para sempre na história.

A história de Beethoven e o impacto da deficiência auditiva na sua vida nos alerta para o fato que a audição é um sistema sensorial que devemos ter total cuidado para mantê-lo saudável. Assim, observe alguns alertas e evite situações que possam prejudicar sua audição.

Alertas!!

• Evite ambientes com ruído ambiental de forte intensidade e afaste-se de caixas de som;

• Ao ouvir música com fones de ouvido, não utilize em alta intensidade. Caso o ambiente esteja barulhento demais, em vez de aumentar o volume, prefira escutar músicas em outro momento;

• Cuidado com cotonetes. São muito úteis para realizar a limpeza do pavilhão auricular, mas não deve ser inserido no meato acústico externo;

Dia 10 de novembro é o Dia Nacional de Prevenção e Combate a Surdez.

Faça a sua parte com a sua audição!

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem
  1. Bárbara Ciralli 24 de dezembro de 2011 16:33

    Parabéns meu amor!
    estou muito orgulhosa!!

  2. Ulli Lauar 15 de novembro de 2011 17:40

    Parabéns pelo belo texto! Muito linda a história de Beethoven.
    Através deste texto percebemos a importância do fonoaudólogo.

    Parabéns pelo texto!

    Que outros textos sejam escritos.

  3. Leila Juliane 11 de novembro de 2011 23:32

    Parabéns pelo texto, pois ele nos leva a refletir sobre o assunto – Surdez – e sobre o fato de como um indivíduo com esse problema sente-se diante do meio social.

  4. Anne Carla de Sousa Silva 11 de novembro de 2011 16:47

    Parabéns pelo belo texto! A história de Beethoven é fascinante, pois apesar da deficiência auditiva, ele conseguiu ser uma figurante marcante na sua época assim como ainda é hoje com suas extraordinárias composições! Nada melhor para exemplificar o exemplo de superação, mas também tornar conhecido da sociedade que histórias como esta de tristeza e frustração podem ter um final feliz! Esta é a missão da Fonoaudiologia, proporcionar a pessoas como Beethoven a chance de viver com qualidade, onde estas possam desfrutar de um mundo sonoro amplamente rico e diversificado.

  5. Thaís 11 de novembro de 2011 14:46

    PARABÉNS!!!!
    Ficou muito bom!

    Orgulhosa dos dois!
    =D

  6. Beatrice Costa 11 de novembro de 2011 13:16

    Muito linda a história de Beethoven. Concordo com você que talvez ele tivesse uma melhor qualidade de vida com o tratamento da sua surdez e a missão da fonoaudiologia é justamente fazer com que histórias dessas de sofrimento fiquem somente no passado. Informações como essas são valiosas para que esse objetivo seja alcançado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo