A última estrela

a última estrela

Sempre haverá um Sol que nos desperte.
Mesmo, e ainda, que sejam tardias,
As auroras… As auroras…
Elas virão.
Nebulosas ou cinzas, trarão a luz.
“Porque são manhãs.”
E se renovam…
Na boca amarga, ficará a memória da ultima alegria…
No olhar distante
A imagem que perdeu-se no horizonte…
No silêncio, um riso, um sonho…
Mas sempre, haverá
Um brilho na derradeira estrela
Haverá o segredo das rimas…
Um novo instante…
Aquele poema que, de tão guardado, é novo…
O sabor do beijo,
Aquele que ninguém esqueceu
Ou a saudade daquele que não aconteceu…
Uma doce e terna lembrança,
A felicidade esperada dos amantes,
Uma grande história de amor
Uma longa espera,
Alguém que ficou ou partiu em você…
E… Um Sol que nos desperte.
E a estrela derradeira *
Sempre haverá.

(Ednar Andrade)

16*02*2011*

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 5 =

ao topo