A vida das folhas que esvoaçam

Por Carlos Gurgel

o homem da noite
adora que a luz do seu escuro pulse

ele fica esperando
pela vida das folhas que esvoaçam seus territórios e amores

porque
a noite que abriga o homem da sua vida
é toda possuída por sádicos, ineptos e vagalumes
parecida com o susto que o vigia sente
quando observa os seres dormindo nas casas abandonadas

e esse homem
nunca pensou em passear durante o escuro que ele sente
porque tudo que pela noite passa
é como um encontro daquela lembrança que se esqueceu de sonhar

então
a noite jamais imaginou que pudesse ser tão linda
hospedando em suas janelas
o encontro de um segredo que chora pelas suas bordas

o homem, a noite e os seus escuros
sabem
que é tão difícil passar desapercebido aos seus sentidos
mesmo que para isso seja necessária a presença
do monótono condutor de tudo que resta
flutuando ao redor dos seus mistérios e indecifráveis castelos.

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Danclads Andrade 22 de Março de 2012 10:30

    “o homem, a noite e os seus escuros
    sabem
    que é tão difícil passar desapercebido aos seus sentidos”

    E este poema, caro poeta, nunca passaria desapercebido pelos meus sentidos.

    E a noite sempre é uma bela inspiração, posto que muitas vezes, por meio dos sentidos, revela, delata, os segredos do poeta e ela os transforma exatamente em poesia.

    Bravo!!!

  2. Ednar Andrade 22 de Março de 2012 14:13

    “o encontro de um segredo que chora pelas suas bordas”

    *A noite.*

    Sou amante da noite,apaixonada por seus mistérios…:)

    Parabéns , grande poeta Carlos Gurgel.

    Bjs!!!!

  3. Anchieta Rolim 22 de Março de 2012 17:33

    Carlos, bela poesia!

  4. Thiago 22 de Março de 2012 23:11

    Parabéns Carlos sou seu fã, conheço toda sua trajetória literária, e tenho alguns livros seus inclusive um raro de 1984, “Deusa do além i Pulsações”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP