A Viúva Negra

Ilustração: Desenho de Brennand

Do fundo de uma tela
verde oceânica
Ela surge, Negra como
Uma noite sem estrelas
Tudo é Negro
A vida é Negra
A viúva mais negra ainda
Elegante
É bela a viúva
A mais bela que já vi
Negra
O morto não sabe
Do véu que a cobre
Até os pés
Tudo é negro
Várias camadas de um tecido
Fino e diáfano vestem
A viúva que parece flutuar
Num céu de anjos negros
Sim, todo anjo é terrível
A viúva cobre o rosto
A viúva esconde o corpo
A viúva tem segredos que só a arte
do Brennand consegue revelar

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Roberta Aymar 12 de fevereiro de 2012 19:23

    Beleza e Proibição… coisas necessárias e, ao mesmo tempo, contingentes nas curvas dos “Plurais Substantivos”…
    Eu que agradeço, João.

  2. João da Mata 12 de fevereiro de 2012 16:41

    Caro Juscio e estimada Roberta

    Belos links e comentários. Adorei.
    Que lindo, Roberta, seu blog proibido. Recomendo a todos

    Muito obrigado

  3. Juscio Marcelino 21 de maio de 2011 20:16

    Em busca de uma foto do Macaibense Augusto Severo nas páginas me deparei com esse site que de cara me chamou atenção. Quando vi o título da poesia “Viúva negra” logo me reportei aos bancos de réus que indignado vou ser jure e em um desses; a ré era conhecida por viúva negra.
    -Para, não ri.
    Peço desculpas, mas foi o que de primeiro o título me fez visualizar. Já era o terceiro marido que aquela aparentemente frágil e franzina senhora com feição bondosa me fez pensar.
    Li atentamente a poesia de João da Mata, que até o sobrenome do autor me levava ao meu banco de memória, mas inúmeras fotografias de símbolos misturando-se harmoniosamente com mulheres de uma ficção heroica, mítica onde mistura o sacro/profano me fazendo beijar os pés de Dalí a Picasso.
    -Caramba! O que esse ditirâmbico escritor está fazendo com os meus arquivos? Abrindo-os como mágico e retirando todas as ligações que eu tenho a guardar.
    Vê como viajei. Esse João é muito bom. Meus parabéns.
    -E a viúva primeira, a minha?
    Ganhou liberdade pela terceira vez. Falta de provas e alegado legítima defesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo