Abaixo as oligarquias

Por Mário Alcântara

Não é só a política em Natal que é comandada por oligarquias, a literatura também. Troca-se de governos mas os nomes escolhidos para participar dos eventos são sempre os mesmos. Não há critérios para a escolha a não ser a do compadrio. A Funcarte é uma vergonha. Esse Encontro de Escritores é uma piada. Abaixo as oligarquias. Viva o Substantivo.

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. Alex de Souza 10 de abril de 2010 18:51

    Plínio, pelamordecristo, me exclua da oligarquia da prefeita. Afinal de contas, o Sousa dela é com ‘s’!

    Rá.

    Abraço.

  2. plinio sanderson 10 de abril de 2010 12:02

    meus caros & caríssimas
    nesta plaga de poti
    reinou absoluta a oligarquia
    maior de todas e todos alhures
    a Albuquerque Maranhão
    da fundação da cidade em 1599 (como Jerônimo de A.M)
    até 1923 (no terceiro mandato do atachè Ferreira Chaves)
    pois é, 324 anos de desmando atávico
    desembocando nessa NATALVESMAIA!

    xô, borboleta de Souza!

    P.S

  3. Nina Rizzi 10 de abril de 2010 10:23

    Mário, infelizmente não é só em Natal. A ‘minha’ Secult da fortalezabelabela, tá na mesma e, ao que parece, nos outros cantos do país também. Sim, uma vergonha o cordialismo.

    Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo