Aborto e Direitos Humanos

Caros amigos:

No atual debate sobre o Plano Nacional de Direitos Humanos, a questão do aborto tem sido combatida especialmente pela Igreja Católica.
Embora eu tenha sido educado, na infância, dentro do Catolicismo, não tenho prática religiosa desde a adolescência. Minha preocupação com o assunto, portanto, tem outro enfoque.

De passagem, relembrarei um tema auto-biográfico que já narrei neste blog: quando eu era criança, ouvi minha mãe contar para uma amiga que tentou me abortar e não o conseguiu. Nesse sentido, sobrevivi – teimosia precoce?
Entendo que uma gravidez envolve três corpos: o da mãe, o do pai e o do feto. Todos são corpos humanos, todos têm direitos humanos. Nesse sentido, sou contrário ao aborto (ressalvados os riscos de vida para a mãe) em nome dos direitos humanos. Penso que a mulher tem direito a seu corpo isoladamente. Quando o corpo dela abriga o corpo de um feto, gerado a partir do corpo de um homem (mesmo na fertilização in vitro, o corpo do homem se faz presente através do esperma), outros direitos devem ser levados em conta.

Evidentemente, muitos homens são irresponsáveis em relação aos filhos que fazem com suas parceiras, muitas mulheres enfrentam enormes dificuldades para criarem um filho (sozinhas ou até junto com o parceiro), a gravidez se dá num mundo social difícil – e uem tem menos poder é o feto. Entendo que devemos priorizar a garantia de vida não criminalizando o aborto, e sim apoiando a sobrevivência digna dos que nascem em condições psicológicas e sociais desfavorabilíssimas. Combater pobreza extrema e neuroses seria um bom caminho de prevenção. Mais esclarecimentos sobre métodos anti-concepcionais, é claro.

Tenho amigas queridas que abortaram. Elas sabem de minha posição e eu não deixei de considerá-las pessoas de minha estima por aquele motivo.
Evidentemente, falo como homem que, como tal, nunca engravidou nem engravidará. Mas eu poderia estar numa gravidez, como pai. E estive numa gravidez, como feto.

Gostaria de ouvir as opiniões das freqüentadoras deste blog sobre o tema. Falo isso com respeito e carinho pelas mulheres, pelos homens e pelos fetos.

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo