Abril Pro Rock continua vivo!

Como esquecer daqueles dias de 96/97/98, sempre que chegava o mês de Abril a expectativa crescia e a gente já fazia mil planos para curtir o Abril Pro Rock. Natal descia em peso e aqueles três dias eram o “oásis” da nossa música aqui pelo Nordeste.

Lembro das incontáveis vezes que deixei material com Paulo André, programador do festival, sempre fitinhas caseiras, com gravações toscas, mas na esperança de conseguir uma vaga para estar ali tocando (acabei conseguindo essa façanha em 2008).

O Abril Pro Rock é a maior inspiração para que o Festival Dosol tenha aparecido e conseguido seu lugar entre os principais festivais de música nova do país. Sem aqueles dias dos anos 90 não tínhamos a menor chance de nascer.

O tempo foi passando e fui empreendendo na música, conhecendo pessoas até ficar amigo de Paulo André, meu ídolo de adolescente, figura carismática e com mil histórias para contar das suas andanças com o rock e com Chico Science e Nação Zumbi, de quem foi empresário até o dia de seu falecimento inesperado e trágico.

Fomos alimentando essa amizade até o dia em que fui convidado a ingressar na equipe do Abril Pro Rock para ajudar na curadoria e captação de recursos pro festival, lá em 2009. Eu que era um fã, acabei virando um parceiro e a coisa segue assim até hoje.

Neste final de semana teve mais uma edição do APR, a de número 24. Rumei de Natal para conferir o primeiro dia de shows junto com a cantora potiguar Simona Talma e a fotógrafa Mylena Souza (que não tinha nem nascido quando o festival dava seus primeiros passos). Chegamos bem cedo, o suficiente para conferir o primeiro show da noite de um figura espevitado e bastante talentoso chamado Pierre Tenório. Show legal, boas músicas, boa banda. Uma espécie de Liniker do Nordeste no jeito de fazer o show. Gostei.

Depois veio a banda Voou, que a gente já recebeu por aqui nas atividades do Dosol. Os pernambucanos levaram um bom número de fãs para cantar suas músicas na praia da MPB. Também interessante. O Encanto e Poesia, outro grupo pernambucano não curti muito, mais pelo meu gosto pessoal mesmo. Sons regionais para me pegarem é mais difícil porque sempre prefiro quem ficou lá pros anos 70. Mas é um bom grupo e recomendo para quem curte Cordel do Fogo Encantado e cia.

Veio de Curitiba os Transtornados do Ritmo Antigo, uma banda com uma pegada dessas bigbands de rua, com temas pirados, músicas dançantes e bastante carismáticas. Melhor show da noite (dos que consegui ver). Fato curioso é que o vocalista da banda também foi o responsável pela programação visual do APR deste ano.

Aí veio o show que eu mais tinha curiosidade de ver nessa edição do APR: Alice Caymmi. Toda minha expectativa foi causada pelo excelente segundo disco da cantora, lançado já há algum tempo e que ouvi muito. Até mandamos mensagem para sua página no facebook convidando para um possível show no Festival Dosol do ano passado, sem muito sucesso. Me posicionei na ótima sala do Baile Perfumado (local do show) e tudo começa com Rainha dos Raios, uma das minhas preferidas. Vai seguindo o repertório nesse começo indo muito bem e envolvendo o público, mas a escolha do set além do que ela gravou em disco é muito errada e o show vai perdendo força até sucumbir de vez com um cover fora de contexto do Led Zepellin para terminar a apresentação. Ótima cantora, ótimos discos, repertório para um show bastante duvidoso. Uma pena.

Veio o excelente Jef do Rio Grande do Sul na sequência com um folkpop muito bem feito e ótimas músicas. Figura para ficar de olho. Ainda deu para ver um pouquinho do Felipe Catto mas o cansaço me pegou e fui embora antes de acabar.

Local ótimo, bom som, show legais e o Abril Pro Rock continua vivo, tanto nas ações atuais como na memória afetiva de todo mundo que curte música independente no país. Vida longa ao festival e fôlego para aguentar ficar de pé ano após ano. Valeu.

FOTO: VITOR BALDE

Músico, produtor cultural, promotor do Festival Dosol e pronto para contar as vivências intensas da música de Natal e do mundo, porque viver é uma trilha sonora ininterrupta. [ View all posts ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vá para Topo