ADAGIO MOLTO E MESTO DA TUA HORA

Jairo Lima

lástima
a ampulheta já calou a voz que declinava o teu nome
os nervos crispados da infanta madrugada fazem tremer a terra isenta
da tua sombra

o halo de tua pele, interdito às retinas, alcança-o um verbo no pretérito
uma pedra na praia observa calada … lentamente do verso desprende-se
uma rima
violoncelomar decanta o sal das águas e incrusta a esmeralda no ostensório desse dia

(a tarde) (a noite) (a madrugada) ———– o dia———– teu verso
ENFIM
já se vê, além do espelho, os músculos da montanha retesados
em mesa de nuvem o tempo devora Partículas de luz
não venhas mais que é hoje
é plena madrugada
é plena Luna
terra minguante deserto última palavra acorde verdescuro sangue transfigurado réstia revogada
não venhas mais que é hoje
os dentes da Luna cravaram-se no teu pelo
adagas navegam na órbita do teu sangue – o tema ergue o punhal sobre
o teu nome
leva teu pássaro ao aprisco de trevas onde pastoreia o ontem
se és em deslembrada luz enreda-te nos fios de tua carne até que o sim te sangre e imponha à lâmpada passante uma fronteira guardada por lobas assassinas
que se lançam à presa,espumantes de fúria, e gritam:HORAS, este é o nosso nome

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Jarbas Martins 8 de novembro de 2010 13:51

    POÈTICA Q DANÇA SOBRE OS 7 SENTIDOS.LOGOPAICA E PURA CABALA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo