Agoniza lança single com cover do Bad Religion

Agoniza é um projeto surgido durante a pandemia, com material gravado remotamente, que reúne três potiguares e um brasiliense, cada músico residente em um Estado diferente (RN, SP, RJ e DF).

Eles lançaram nesta sexta o cover de Infected, faixa do álbum Stranger Than Fiction, lançado pelo Bad Religion em 1994.

Os integrantes produziram cada parte isoladamente em seus respectivos estúdios ou home-studio, sendo o trabalho mixado e masterizado pelo guitarrista Nicolas Gomes, potiguar radicado em São Paulo. 

“A gente pensou em pegar um clássico, uma banda lendária, que não fosse do nosso estilo, pra gente transformar numa música pesada em nosso estilo. Aí veio na cabeça o Bad Religion. Gravamos com mais dois convidados, o André Garotti, e o Eduardo Potyx [outro potiguar, com passagens em várias bandas históricas do rock e do metal natalense, como o Deadly Fate], que gravou o teclado da abertura”, diz Victor Barbosa, baterista, técnico de som e produtor norte-riograndense residente no Rio de Janeiro.

Além do cover , o Agoniza lançou seis meses atrás um EP chamado O Significado da carne, com letras cantadas em português e com sua parte lírica conceitual baseada na obra O Aparicionista do escritor alemão Friedrich Schiller.

“O Agoniza foi formado em março passado, quando todo mundo começou a ficar parado e começou a se comunicar pelo WhatsApp, pela internet. Nicolas tinha uma música com a guitarra já pronta e me convidou pra gravar a batera, eu aqui no Rio e ele lá em São Paulo. A partir daí a gente pensou em quem ia convidar pra gravar o baixo, que foi o Cláudio Slayer, e vocal foi o Zé de Brasília”, diz Victor Barbosa, baterista natalense morador do Rio de Janeiro há anos.

Agoniza é: Nicolas Gomes (Guitarra), Cláudio Slayer (Baixo)Victor Barbosa (Bateria) Zé Misanthrope (Vocais). Seus integrantes são membros ou ex-membros de bandas veteranas do underground nacional (Expose Your Hate, Open the Coffin, Deuszebul, Son of a Witch, Sanctifier, Lord Blasphemate, Omfalos, Godtoth, A peste, Nekkrofuneral). 

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo