Ah! Há a à

Por Caetano Veloso
O GLOBO

Marcos Bagno propõe, no curto trecho que dedica, em seu livro de mil páginas, à crase do artigo “a” com a preposição “a”, que simplesmente passemos a pôr um acento grave na preposição. Pronto. Ele se demora em explicar vários outros casos de crase mas faz questão de mostrar posudo desprezo pelo caso mais famoso, mais popular, aquele que é conhecido como a crase. Qualquer pessoa medianamente letrada fala na crase. A frase atribuída a Otto Lara Resende (mas que parece que foi criada por Ferreira Gullar), “A crase não foi feita para humilhar ninguém”, faz sucesso porque todo mundo quer saber o que é a crase, quais as “regras da crase”. Enquanto vários professores de gramática tentam orientar os milhões de sedentos de saber, o sociolinguista prefere despachar o assunto e subscrever certas placas de estrada (peças postas ali pelo poder público) que exibem coisas como “Retorno à 500 metros”. Recebo e-mails com indicação indevida de crase enviados por jornalistas, doutores e universitários. Encontrei ocorrências nos dois livros que estou lendo ao mesmo tempo: a autobiografia de Edir Macedo e as entrevistas de Mangabeira para a série Encontros. Na dúvida, o inseguro revisor ou missivista pespega um acento grave em qualquer “a” que não seja um mero artigo. Às vezes até mesmo quando ele é um mero artigo.

Parece que a opção de Bagno se deve a um desejo de livrar quem escreve de preocupar-se com o assunto. Apegando-se a um texto de Alencar (em que se fala de uma “operação intelectual que se opera com rapidez”), ele propõe que a gente vá “à São Paulo” como quem vai à Bahia. Um comentário (mais bem escrito do que o de José de Alencar) de Millôr Fernandes sobre a inexistência fonética do “a craseado” no Brasil leva Bagno ainda mais a fingir que solta as amarras. Para mim ele soa esnobe. Os gramáticos ou estudantes desejosos de entender como funciona a língua — coisa que Bagno deve ter sido desde sempre, dada a minúcia com que ele entra em observações históricas, lógicas, filosóficas, sociais, econômicas e políticas sobre as formas de expressão verbal —, esses gramáticos e estudantes, eu dizia, chegaram com amor ao entendimento da crase dos “as”. Não podem ser apontados como os que desejam parecer estar acima do comum dos mortais. Quem quer mostrar que um maior conhecimento científico o leva a se sentir superior a quem ele julga que se sente superior deve ser reconhecido como, no mínimo, igualmente presunçoso.

Nos livros que estou acabando de ler, encontrei também casos tipo “leis que no final do século XIX tinham sido superadas há mais de 10 anos”. Ou seja, quem escreve não tem em mente que esse “há” aí é um verbo — se tivesse, o conjugaria no passado. O “há” passou a funcionar como uma preposição. Há tanta gente que se enrola com a crase dos “as” quanto as que se enrolam com “daqui a cem anos” e “isso se passou há muito tempo”. Recebo o mesmo número de e-mails de gente letrada com confusão entre “a” e “há” quanto entre “a” e “à”. Seria o caso de considerar o “há” de “há muito tempo” como uma preposição e grafá-lo, à Bagno-Alencar, com um acento grave: “ouço essa conversa à décadas”. Aliás, já encontrei isso também.

Bagno propõe que se ensine aos alunos as formas tidas como corretas pela gramática convencional, mas como opção alternativa, que o aluno usará se e quando achar necessário. As forças centrífugas da mudança constante da língua são mais intensas do que as forças centrípetas da organização gramatical. Assim, num país desesperado por letramento, aconselha- se que professores ensinem complexas relações hierárquicas entre formas que ele já usa e formas que só conhecerá na escola.

Além de tudo isso, desagrada-me que a conjugação dos verbos na segunda pessoa do plural seja tida como algo morto por só se encontrar na Bíblia. Conheço enorme número de pessoas que só leem a Bíblia. E que o fazem sempre. Se a solenidade de que se reveste a religião levou os editores do Livro Sagrado, em português como em inglês, a manter velharias como o “vós” e o “thy”, os milhões de receptores das palavras reveladas deveriam entrar na conta sociológica do linguista de maneira diferente.

Afora isso, comove-me ouvir Chrissie Hynde cantando “The Empty Boat”. Sonhei ou tive a visão de uma menina loura no adro da igreja no dia do aniversário de minha mãe? Ela me dizia algo sobre daqui a três anos. Como achá-la no Brasil, no mundo? Cartas à redação. Bagno dá uma dica boa sobre a crase. Tenho uma melhor.

Ele ressalta palavra feminina. Mas eu quero que meu aluno entenda. Sugiro pensar em “ao”. E confesso que prefiro “aa” (que se usa na fala, para esclarecer) a um “à” indiscriminado.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =

ao topo