Além dos clássicos…

Anthony Perkins e Orson Welles, em O Processo (1962)

Por Sergio Vilar

Li todo o belo texto de Carlão e me confortei no comentário de João da Mata: “Alguém disse que a vida é curta para ler além dos clássicos”.

Leio tantos comentários de leitores de minha geração acerca dos escritores atuais. Fico perdido, desinformado. Meu pouco tempo de leitura é dedicado aos clássicos.

Na música, a mesma coisa. Nesta seara ainda procuro acompanhar alguma coisa pelos links enviados via twitter. É mais fácil. Hoje mesmo vi um clipe excelente do Black Keys, enviado pelo jornalista Hugo Morais.

Mas o que pesquiso e procuro conhecer e entender são os clássicos da música. Até na música clássica tento me enveredar e nem consigo.

Por vezes sinto falta da literatura de meu tempo; “literatura contemporânea”. E tento amenizar com a poesia, também mais fácil de pescar quando o tempo é pouco.

A angústia bate, às vezes. Morrerei em 2012 sem conhecer a ficção do século 21? E lembro que sequer li O Jogador (Dostoiévsky) ou mesmo O Processo (Kafka) – ambos em minha estante.

Meço, então, as perdas e tiro a conclusão: sou mesmo um dinossauro, como me classificou o grande Chico Guedes quando quis malhar do meu desconhecimento com as ferramentas do twitter. Mas conheço a ficção de meu tempo pelas mesas de bar e cenas da esquina. Fico com os clássicos para viajar a outros tempos, me iludir. A ilusão é o elixir da vida!

Comments

There is 1 comment for this article
  1. João da Mata
    João da Mata 20 de Maio de 2010 9:36

    Os mestres de sempre

    Caro Amigo Sérgio:

    O que não tenho dúvidas na Música

    Erudito

    Beethoven
    Bach
    Brahms
    Mahler
    Mozart
    Satie
    Debussy
    Prokofief

    Jazz

    Louis Armstrong
    Thelonius Monk
    John Coltrane
    Duke Ellington
    Billie Halliday
    Oscar Peterson
    Ella Fitzgerald

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP