Alfarrábio

Em Belo Horizonte fica o sebo Alfarrábio do meu querido amigo Eduardo. Durante muitos anos comprei livros no sebo sem conhecer o seu culto e simpático proprietário. Eduardo trabalhou muito tempo com sua irmã Amélia – igualmente amável – que resolveu montar o seu próprio sebo.

No Alfarrábio adquiri muitas raridades que não encontrava em qualquer sebo comum. Livros bem encadernados e cuidados. De bibliofilia, catálogos de bibliotecas e outros livros de referência. Muitos títulos da camoniona foram comprados no Alfarrábio. Eduardo precisou vender alguns livros e desfalcou sua valiosa biblioteca. É um buquinista que conhece a ama o livro. Sabedor durante tanto tempo dos meus gostos já separava alguns livros que dizia tinham o meu perfil.

Não conhecia o Eduardo pessoalmente, só pela internet e correspondência. Eduardo também não me imaginava assim. Pensava-me gordo e mais taciturno. Talvez pelos alfarrábios que comprei. Talvez pela linguagem. Nunca te vi sempre te amei é um título de um livro e filme de que gosto muito. Não pensava que poderia me tornar uma personagem de um filme assim. Assim como sem querer foi isso que aconteceu. Amei e continuo amando Eduardo e seu sebo.

No verão de 2010, em viagem pelas cidades históricas de Minas Gerais e sua capital Belo Horizonte eis que encontro o meu amigo virtual e cúmplice de tantos anos. A alegria foi imensa. Eduardo ficou sem fala e eu mais do que emocionado. Trocamos abraços e lembranças. Eduardo não me esperava. E eu não sabia daquele homem por traz de um cigarro apagado. Fiquei ainda mais apaixonado e sabedor de que o filme pode ser real. De volta a Natal a lembrança daquela viagem inesquecível.

Estou esperando um lote de livros que comprei depois em casa. Agora já sei um pouco mais do homem de cabelos brancos que sem me conhecer me proporcionou momentos de grande alegria. Sei também que Eduardo não ler jornal e assiste TV.

Minas deixou de ser um sebo virtual. Itabira também não é mais só um retrato na parede. Minas – agora, tem forma, cheiro, endereço e saudades de Natal.

Abraços fraternos meu querido amigo.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

ao topo