Algumas notas

Cena de “A artista está presente”, sobre Marina  Abramovic

Por Tácito Costa

Abaixo algumas notas que poderiam render posts. Mas a falta de tempo impede-me de alongar-me como gostaria.

1 – Começo com um dos melhores filmes visto até agora este ano. O documentário “A artista está presente”, de Mathew Akers, sobre a performer Marina  Abramovic. Interesso-me por performance e por dança contemporânea, embora muitas vezes não abarque ou não capte toda a beleza e sentido contidos nessas duas formas de arte. O filme é emocionante e nos ajuda a compreender mais sobre a performance. Leia mais sobre o filme aqui.

2 – Dei há poucos dias uma entrevista sobre o SP, bem umas duas horas, ao repórter Pedro Vale, da revista Preá. Outros pluralistas também foram entrevistados. Lá pras tantas, ele quis saber a linha editorial do blog. Eu tentei explicar, resumindo que se trata de um espaço progressista. Defende direitos humanos, é contra a homofobia e os preconceitos etc e tal.

3- Depois da entrevista, me peguei questionando sobre a palavra “progressista”, principalmente porque me remeteu ao Partido Progressista, herdeiro da Arena e do PDS e que tem em seus quadros os deputados Bolsonaro e Maluf. Ou seja, um desvirtuamento completo do termo.

4- Outro dia mesmo, na polêmica sobre Lobão, Lívio citou num comentário Diogo Mainardi. Que nunca publicamos aqui. Como também nunca publicamos Merval Pereira (esqueci o sobrenome e fui ao Google), Dora Kramer, Arnaldo Jabor, Reinaldo Azevedo, entre outros tão lidos e citados por uma certa classe média. É simples, o blog é uma extensão dos meus gostos e desgostos (e dos demais pluralistas), então o que eu não leio e nem aprecio raramente é publicado.

5- A reforma gráfica do SP segue em ritmo acelerado e deverá entrar no ar no próximo mês, quando o blog completa seis anos de fundação. Sou suspeito, mas o novo projeto ficou massa (como diria Rolim – rs). Deixou-me um pouco apreensivo porque as mudanças foram radicais e poderão desagradar a alguns que estão tão acostumados com o formato atual, praticamente o mesmo desde o começo de tudo.

6- Apostamos num formato moderno e leve. Moderno não apenas porque trocamos as palavras “expediente” por “sobre” no cabeçalho. Fiz menção a isso porque na última reunião com o diretor da Velty (a empresa que está fazendo o novo projeto), Raphael Guedes, discutindo detalhes da diagramação, ele disse que estranhou o nome “expediente”. De fato, é o nome usado nos jornais e revistas, mas que foi substituído por “sobre” e outros nomes nas publicações virtuais, notadamente blogs. O que quis também dizer com essa referência é que o novo formato traduz o espírito dos meninos da Velty, que eu já afirmei aqui, é formada por um grupo de jovens, espírito esse que não se resume, claro, a estranheza com nomes como “expediente”, que remete à velha mídia.

Comentários

Há 20 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + 9 =

ao topo