Amor e in/fidelidade

Amigos e amigas:

Li o texto da psicóloga francesa sobre infidelidade masculina e espaço próprio. Tenho duas críticas: o conceito de infidelidade não me satisfaz, penso que a fidelidade tem múltiplas faces (fidelidade a si mesmo, fidelidade ao desejo, fidelidade para além das normas…); e não sei a razão para limitar o tema ao masculino – muitas mulheres também precisam de um espaço próprio.
Acho legal entendermos que o amor é vasto e sem fim, gostosamente complexo – às vezes dolorosamente complexo. Repetindo Erasmo Carlos, na voz de Marina Lima: mesmo que esse homem seja eu.
Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo