amor – iii

uns três mil quilômetros de saudades.
todos tabacos por fumar
e não fumar
e não comer
e ficar “dançada”.

infindas noites zumbi(z)ando
manteigas. tangos.
o corpo pintado a boca-mão
— eu, musa e papel
suada, borrada,
miscigenada aos lençóis e
pelos-pele.
eu bailarina giro-luas.

anelos impregnados
por todos dedos-cantos
fados.

o lixo interrompido pela melo-dia-voz
: como não dizer
que tudos quero?

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Lívio Oliveira 19 de dezembro de 2010 9:29

    Da série “amor”, foi desse que mais gost(z)ei.

    Mais equilibrado, mais harmonioso, mais delicado…

    Beijão, Nina, menina má.

    p.s. E, na fila, também te empurro. Você me empurra…eu te empurro…você me empurra…

  2. Jarbas Martins 19 de dezembro de 2010 9:27

    belos e bem trabalhados esses teus poemas, em série, sobre o amor, principalmente o II e o III.estou pensando fazer um breve ensaio comparativo entre esses poemas e alguns poemas de zila mamede e marize de castro.por mais diferenças que os poemas de zila e marize apresentem, em relação aos seus- estilemas como o desespero, o vazio e a busca estão neles representados. de forma verdadeira, carnal, concreta.
    beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo