Andorinha

Por Luís Fernando Veríssimo

A Dilma descobriu que, como uma andorinha só não faz verão, um Joaquim Levy no Ministério da Fazenda não significou muito. Levy na Fazenda era para ser um sinal de que o governo sucumbira à realidade e adotaria a temível austeridade, mesmo sacrificando princípios do PT. Depois das benesses do Mantega, o rigor do Levy, com liberdade para fazer o que fosse preciso para mostrar que a festa acabara, a banda já fora dormir e reinava a responsabilidade fiscal no salão vazio. Não deu certo. O mercado não acreditou na mudança, Levy foi inútil como uma andorinha solitária, e o único resultado alcançado pela Dilma foi brigar com o PT.

Mas agora tudo vai mudar. Alguém duvida da responsabilidade fiscal daqueles brancos engravatados, todos com impecáveis credenciais liberais, na fotografia do Ministério? Mesmo com a nova austeridade, os programas sociais do PT continuarão, disse o Temer, que também garantiu que a Copa América será nossa e que vai chover menos. De onde virá o dinheiro para os programas sociais do PT continuarem, apesar da nova austeridade? A questão foi debatida na primeira reunião do Ministério e ouvi dizer que alguém sugeriu, timidamente, “Quem sabe a gente dá algumas pedaladas, como a Dilma?” e foi atirado pela janela.

É injusto dizer que o país está mal representado no Ministério do Temer. Há de tudo no Ministério: racistas, machistas, tudo. Richard Nixon certa vez defendeu uma nomeação sua que estava sendo muito criticada com a sábia frase: “A mediocridade também precisa ser representada”. Temer não esqueceu os medíocres. Foi mais longe, na sua preocupação de montar um retrato fiel da população. Lembrando o número de brasileiros sendo investigados pela Operação Lava-Jato, Temer fez questão de incluir quatro investigados no seu Ministério, para manter o principio da proporcionalidade.

Voltando à andorinha, não deixa de ser irônico ninguém ter culpado o Levy pelo descontrole da economia brasileira. Ele teve todo o poder na mão, inclusive contrariando o amor liberal pelo Estado mínimo, e fracassou. Claro, era uma andorinha só, um estranho no ninho do PT, mas fracassou. A Dilma também errou, pensando que o convite ao Levy bastaria como uma mensagem de paz para quem não queria paz, queria sua cabeça de qualquer jeito.

No fim , é uma história de solidões. Do Levy, da Dilma e, claro, da andorinha que não significava nada.

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP