Aneurismas encapam a noite, de Maluz Maheros

aneurismas encapam a noite enquanto
latifundiários de entranhas domam pensamentos perdidos

desde a remoção dos pelos a pele cicatrizou
com o teu canino perdido dentro
de braços passados no estômago benzo e invoco nomes
para que subam suas proteções sobre mim


[endereço-me a você como uma embarcação no lodo]

Ilustração: Umberto Boccioni

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo