Antes e depois de FHC

Por Paulo Moreira Leite
NA ÉPOCA

A entrevista de Fernando Henrique Cardoso sobre sobre a guerra entre os estudantes da USP e a PM estabelece uma fronteira democrática na discussão.

FHC obviamente não concorda qualquer coisa que se possa chamar de idéias políticas dos estudantes. Mas ele critica o esforço para rebaixá-los como “maconheiros” e questiona a idéia de resolver os conflitos universitários — como a ocupação da reitoria — com a tropa de choque.

É importante por duas razões — para FHC e para os outros.

O silêncio de Fernando Henrique começava a gerar contrangimento em boa parte de seus admiradores no meio universitário. Ele é a principal estrela do filme Quebrando Tabu, onde não só defende a legalização da maconha, da cocaína, da heroína, etc, como diz que não existe sociedade sem drogas.

Seria muita hipocrisia ficar quieto depois de um conflito que teve início quando a PM resolveram deter três estudantes que enrolavam um baseado num estacionamento.

O outro motivo é mais amplo. Uma das boas regras da democracia diz que os princípios políticos devem ser defendidos quando isso não convém a nossos interesses. É uma reaplicação daquela máxima de Voltaire sobre defender “até a morte” a liberdade de expressão do outro. Ou seja: mesmo que FHC não concordasse com a legalização da maconha ele não seria obrigado, automáticamente, a sustentar a ação da PM contra os estudantes.

Estão envolvidas, aí, questões importantes da democracia, como a autonomia universitária e a necessidade de garantir uma polícia que seja capaz de garantir a segurança dos cidadãos sem ferir seus direitos por causa disso.

Nos últimos dias, ocorreram movimentos, dentro do PSDB, para que o partido tivesse atitudes mais claras de apoio à ação da PM. Era uma forma de tentar faturar com a violencia. A postura de FHC ajuda a entender por que esse esforço não prosperou.

Você pode ler aqui a entrevista de FHC: http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/noticias/53988/chamar+estudante+da+usp+de+maconheiro+e+absurdo+diz+fernando+henrique+cardoso.shtml

Também pode ler textos que escrevi sobre a desocupação da USP:Aqui, sobre o uso da maconha como estigma político: http://colunas.epoca.globo.com/paulomoreiraleite/2011/11/12/os-maconheiros-e-os-hipocritas/

Aqui, meu relato sobre a desocupação da reitoria, depois de passar 12 horas entre estudantes, policiais, familiares: http://colunas.epoca.globo.com/paulomoreiraleite/2011/11/09/guerra-de-ilusoes-e-fantasmas-na-usp/

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP