António Lobo Antunes

“O enquadramento estético de autores contemporâneos sugere muitas vezes problemas aparentemente insolúveis. Sem a pretensão de reduzir uma obra a uma única definição, nos dedicaremos a estudar a problemática do realismo presente na ficção de um autor português de nosso tempo, António Lobo Antunes. Sua prosa filia-se de certo modo ao romance realista, pelo menos em se tratanto da crítica presente neste modelo de literatura. No entanto, sua escrita pode exemplificar a proposição de Adorno, de que a tradição crítica desse modelo de romance se manteria a partir de sua negação. Ilustraremos essa negação analisando um recorte do romance A ordem natural das coisas. A fragmentação, nas mais diversas instâncias, encontrada nessa obra, muitas vezes associada ao emprego da chamada epopéia negativa será o nosso ponto de partida.” ANDERSON BORGES (REVISTA ZUNÁI)

aqui

ao topo