Aquietar-se

Depois do almoço
deitava-se em rede espaçosa
fugindo do calor infernal
e embalava-se por
um largo momento,
solitária,
meio que sonolenta,
tocando-se lentamente
com os longos e finos dedos
enquanto a mente entrava e saía
de situações e lembranças
tragava saudade excitante
repisava momentos ardorosos com ele
até ser dominada por repentino espasmo
e um torpor que a levava
a um quase desmaio
indo-se por janelas de um sono aquietador.

Médico, poeta, contista e compositor. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo