Artistas de Recife deslocam eixo criativo para o Nordeste

Dancing (2007). Acrílica sobre tela, de Beatriz Milhazes. Uma das obras da exposição Vestígios de Brasilidade.

Solares e selvagens. Essas são as palavras que uma nova leva de artistas de Recife mais usam para definir a natureza do que fazem e suas vidas na cidade que vem roubando os holofotes do saturado eixo Rio-São Paulo.

aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 2 =

ao topo