As donas do apito

Por Felipe Voigt
Blog Questão de Ordem

Confesso que passei muitos anos da minha vida tentando entender as mulheres. E ainda estou tentando aprender um pouco mais sobre esses seres… não tem sido fácil, mas quem disse que seria?

Aprendi, nessa vã tentativa de compreender a alma feminina, que uma mulher não quer apenas ser compreendida: quer ser admirada e respeitada, ainda que nem ela mesma saiba o que pensar, sentir, fazer…

Não, isso não é puxa-saquismo devido a data de hoje. Quem me conhece, sabe o quanto sou encantado por essa divindade chamada mulher. Vou, inclusive, abusar de um clichê tão necessário neste dia: todo dia, de fato, é dia da mulher. Tolo daquele que acha que apenas hoje elas querem ser vistas, notadas, reconhecidas.

É mãe, irmã, amiga, filha, trabalhadora, forte, cruel, devassa, indiferente, doce, fascinante, sensual, instigante, amável, única, complicada, simples, forte e necessitada…

Ao conhecer uma mulher, vi que não podemos nos apegar à primeira impressão: ela sempre dará um jeito de te causar várias outras primeiras impressões. Uma mulher nunca expõe todos seus lados assim, facilmente. Leva-se anos, às vezes, para sabermos de todas as facetas de uma mulher. E mesmo assim, sempre tem uma de reserva.

Sim, toda mulher traz dentro de si outras 5, 6, 7 mulheres… e nem sempre uma vai com a cara da outra. E, certamente, não serão todas que irão com a SUA cara. Aquela que te procura hoje não será a mesma que te ignorará amanhã… tampouco será aquela insaciável que buscará, sedenta, seus braços na outra noite. Muito menos será aquela que usará esses mesmos braços apenas como um consolo para o dia difícil.

Por mais dura, fria e insensível que uma mulher tente aparentar, há sempre uma brecha escondida por detrás de tanta fuga. As que usam desse expediente são aquelas que mais sofreram nas mãos de outros homens, outras mulheres, outros amigos, outros familiares…

Fecharam-se para o mundo, na vã esperança de que isso fosse privá-las de novos sofrimentos. Mas o que querem, realmente, é que alguém não desista nas primeiras tentativas de adentrar tal fortaleza. Elas precisam que esse alguém seja merecedor de conhecer seus segredos, suas mágoas, suas fragilidades.

Aprender a ouvir o silêncio feminino é das tarefas mais árduas e cansativas que um homem pode ter. Nem por isso deixa de ser uma doce e alucinante sensação… especialmente quando o silêncio é quebrado pelo som de seu nome ecoado naquele momento em que ela mais precisa de alguém e você foi o ser clamado!

Por mais passionais que sejam, tudo o que esperam, às vezes, é de um simples “como foi seu dia?” para poder aliviar o peito…

Aprendi que as oscilações fazem parte do cotidiano feminino: ora querem tudo, ora querem nada. Hoje te amam, amanhã te ignoram… pra depois te amarem novamente! Por mais confuso que seja, temos de aceitar que tais nuances ocorrem, por vezes, graças à um cabelo que acordou “do contra”.

Sim, uma simples manhã de “bad hair day” pode ser fundamental na maneira como uma mulher irá te tratar. A culpa não é sua: é do cabelo e do tempo gasto na escova\chapinha… ou na procura daquele maldito lacinho pra prender as madeixas!

Entendi quando uma mulher te pergunta algo, na maioria das vezes, ela já sabe a resposta. Pergunta apenas para te testar e saber se ela ainda consegue te prever como imagina prever. Isso faz com que aquelas perguntas retóricas ou perguntas-pegadinhas sejam cada vez mais difíceis de identificar.

Aprendi que toda mulher se questiona ao menor sinal de não estar agradando… Seja na opinião emitida, seja na roupa vestida, seja na música dançada, seja no namoro engatado, seja no batom passado. Bastou um olhar alheio de dúvida sobre a escolha que lá vai ela se questionar se essa foi a melhor opção optada!

Descobri que o respeito à elas se faz não apenas com palavras educadas: se faz com pequenos gestos diários. Mesmo que você não perceba, fazem diferença. Respeitar o silêncio, entender as inconstâncias, aceitar os desaforos, zelar pelo bem-estar, respirar antes de falar, pensar antes de agir, engolir os sapos, digerir as ausências… tudo isso é obrigatório ao manter-se próximo de uma mulher.

Entendi que uma mulher precisa que tenhamos o discernimento necessário para saber quando agirmos como homem, quando agirmos como amigo, quando agirmos como companheiro. E, sim, ela precisara que sejamos os três: que a desejemos visceralmente à noite, que a compreendamos à tarde e que estejamos ao lado pela manhã.

Acredito, ainda, que a premissa do “sexo frágil” tenha sido alardeada por uma mulher. Assim, ela soube nos fazer crer numa falha certeza de sermos “superiores”. Nessa soberba supremacia, expomos nosso caráter e nossas mazelas. E quando pensamos estar por cima é que vem uma mulher e te dá uma rasteira certeira. Claro, ela esteve te observando “lá de baixo” e o atacou em seu pior ponto fraco. Quando caídos, passamos a admirá-las mais honestamente… tiramos nossa pseudo-máscara para assumirmos nosso papel de coadjuvante!

E, finalmente, descobri que, por mais que sejamos foda, sempre seremos uma peça em seus jogos. Elas irão brincar com você, pisar em você, trucidar sua mente, dilacerar seu peito, debulhar sua alma… apenas porque elas podem!

O pior de tudo é que sabemos disso… e, ainda assim, entramos em campo! Não para ganhar; mas apenas para participar do jogo.

À você, mulher, obrigado por apitar minha vida…

ao topo