As teorias maldosas ou a descrença no Deus criador

Por Rangel Alves da Costa

Ligo a televisão num canal pago e avidamente me atenho às teorias maldosas. Principalmente uma, a denominada Teoria dos Antigos Astronautas, que refuta qualquer participação divina na criação do universo e do poder de realização concedido ao homem, para defender que tudo que há no mundo é obra exclusiva de seres alienígenas.

Assisto avidamente porque me instiga ver e ouvir tantas aberrações partindo de pessoas supostamente inteligentes. Contudo, não sei se alguns daqueles teóricos passariam num teste de sanidade mental. Daí soar até como brincadeira que Giorgio Tsoukalos (FOTO), um pesquisador da formação das antigas civilizações por seres extraterrenos, repita a cada instante que tudo, mas tudo mesmo foi obra de antigos astronautas, dos extraterrestres.

Com o seu cabelo sempre e devidamente espetado para cima, Tsoukalos, que já foi diretor do Centro de Pesquisa de Astronautas Antigos de outro falastrão, o mundialmente conhecido Erich von Däniken (autor de “Eram os Deuses Astronautas?”), vai soltando baboseiras de indignar qualquer pessoa mais consciente. Diz, por exemplo, que descendo dos céus, os seres extraterrestres foram os responsáveis pela criação do universo. Basta ver as civilizações antigas, cujos monumentos são obras de deuses desconhecidos, segundo afirma.

Contudo, não se mostram ateus nem afirmam, com clareza, que Deus nunca existiu nem passa de um mito religioso. Mas não precisaria que fizessem tal afirmação. Suas posições teóricas, ao dar primazia aos deuses desconhecidos como elementos criadores do universo, já mostram suas intencionalidades. Desde o surgimento do homem, sua criação como elemento primordial, aos acontecimentos presentes, nada disso teve a participação da divindade religiosa cristã, mas da ação dos seres espaciais, cujo céu talvez tivesse sido criado também por eles.

E são muitas as teorias, sendo a principal delas, como já firmado, a Teoria dos Antigos Astronautas, defendendo a ação dos deuses ou astronautas antigos na criação do homem e na sua cultura, bem como na formação das antigas civilizações. Seus teóricos, pois, afirmam que o homem foi criação de deuses que visitaram a terra em tempos antigos. Contudo, existe ainda, dentre outras, a Teoria Cosmológica Sumeriana (Zecharia Sitchin), a Teoria do Paleoconto (Carl Sagan), a Teoria da Correlação de Órion (Robert Bauval) e o Movimento Raeliano (a criação dos humanos por uma raça interplanetária).

Tais teorias, contudo, só se expressam e sobrevivem pela instigação humana a tudo que diga respeito aos mistérios das antigas civilizações, ao exotismo prevalecente em diversas culturas, aos fatos ainda inexplicáveis envolvendo o surgimento dos grandes templos e as suas construções megalíticas e, principalmente, o desconhecimento humano. Assim, aproveitando-se destes fatores, os teóricos do absurdo vão criando mundos ao seu mundo e desenvolvendo as mais estapafúrdias explicações.

Os teóricos, entretanto, desenvolvem um esforço descomunal para encontrar elementos que deem sustentação às suas proezas ilusórias. Mais fácil seria o reconhecimento de Deus como o grande criador, com base principalmente nos ensinamentos bíblicos, mas preferem negá-lo e se lançam em aventuras mirabolantes. Daí buscar especialmente nos antigos textos hindus e sumerianos as explicações mítico-fantásticas para o surgimento de tudo.

Verdadeiramente desacreditam na Bíblia e no poder criador de Deus. Negam a Bíblia e se voltam para os obscurantismos contidos em textos antigos e que permitem uma multiplicidade de interpretações. Negam a Deus ao afirmar que o homem, como sua maior criação, não possui força suficiente nem capacidade para o pleno desenvolvimento de suas culturas, bem como para construir os grandes templos que até hoje instigam os pesquisadores. Somente a ação dos deuses extraterrestres para que tudo fosse possível, segundo defendem.

E mais. Num destes programas ouvi que os cérebros privilegiados de Einstein, Platão e todos aqueles reconhecidos como gênios, sofreram influências extraterrestres. E tais pessoas podiam manter contato com inteligências interplanetárias para desenvolver suas teorias e obras. Quer dizer, nem a capacidade mental humana foge às afirmações absurdas desses teóricos alienígenas tresloucados.

E dizem que perguntaram a Giorgio Tsoukalos por que ele mantinha o cabelo assim tão estranhamente penteado, sempre para cima, e dele ouviu que aquilo fugia ao seu desejo. Sempre se penteava normalmente, mais aí vinha um extraterrestre e colocava gel estelar.

 

 

Advogado e escritor

blograngel-sertao.blogspot.com

Comentários

Há 11 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 4 =

ao topo