Assim cresci…

Por Ednar Andrade

Nos fins de tarde Íamos eu e minha mãe, Sacola do lado, Comprar um peixe.

Sentar ali, ver o Sol cair… Ao fim da tarde Esperar o pescador Chegar do Mar

Escolher o peixe, comprar, Ouvir conversa de pescador Saber como andava o Mar, Se violento ou calmo.

Se havia peixe em abundância Ou se a escassez os faziam voltar tristes Memórias da infância… A tarde caindo,

O peixe comprado, Voltando para o lar… Cozinhar o peixe, Servir o jantar

Assim cresci, Me fiz Ednar. Família unida, Mesa posta…

E o jantar: Batatas cozidas, pirão de peixe… Família reunida, Como é bom lembrar.

Fogão de lenha, Chaleira de ferro, café fresquinho, Broa de milho, Cuscuz, mungunzá…

Uma mesa farta: De amor e de pão. Meu pai, minha mãe… E meus irmãos.

Um cheiro de vida E uma saudade… De um tempo vivido Com felicidade

Que até hoje guardo No meu coração. Saudade, Quanta saudade…

(Ednar Andrade).

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 5 =

ao topo