Atestado de pobreza

… E nem mesmo sabia ler,
Mas entregava um papel
Datilografado
(Verdadeiro atestado
De sua pobreza),
Um pedido de ajuda,
À indiferença do vidro
Do carro que subia…

(Danclads Lins de Andrade).

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 10 comentários para esta postagem
  1. Danclads Lins de Andrade 26 de agosto de 2011 18:44

    Ok, querida. Obrigado.

  2. Nina Rizzi 26 de agosto de 2011 8:22

    Danclads, não é interpretação, eu tenho mesmo… rs..
    Outro beijo.

  3. Danclads Lins de Andrade 25 de agosto de 2011 19:25

    Nina, grato por sua interpretação de meu poema. Beijos.

  4. Danclads Lins de Andrade 25 de agosto de 2011 19:16

    Denise, são suas palavras que me comovem. És generosa, obrigado por esta tua visão do meu poema. Abraços.

  5. Nina Rizzi 25 de agosto de 2011 11:16

    Tenho no registro o carimbo. E nos olhos a poesia.
    Muito bom.
    Um beijo.

  6. Denise 24 de agosto de 2011 23:49

    Também um atestado de verdade. Pobreza carimbada e repassada. Nem assim a ajuda. De belo, só o olhar do poeta que se incomoda. Comovente, Danclads.

  7. Danclads Andrade 24 de agosto de 2011 22:45

    Obrigado, caro François, por suas generosas palavras.

  8. françois silvestre 24 de agosto de 2011 20:53

    Isso! Belo…belíssimo! Até porque a tristeza é ruinosamente bela. Se o vidro não subisse dava uma esmola, mas faltava poesia!..

  9. Danclads Andrade 24 de agosto de 2011 15:59

    Grato, Anchieta, por seu generoso comentário.

  10. Anchieta Rolim 23 de agosto de 2011 19:17

    Direto ao assunto, muito bom mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo