Atropelamento e lições de lógica

O jovem filho de um conhecido megaempresário atropelou um ciclista, que morreu. O motorista dirigia a 110 km/h e tem multas anteriores por excesso de velocidade. A família do falecido afirma que ele foi atropelado no acostamento. O atropelador rebate que o ciclista saiu do acostamento em sua direção (não se sabe a velocidade de um ciclista em relação a um automóvel que atingia 110 km/h).

O pai veio a público denunciar a imprudência do ciclista, que, em sua argumentação, pôs em risco a vida de seu filho e do amigo que o acompanhava – embora a vida perdida tenha sido a do ciclista…

Saudades de Aristóteles, para não falar em milênios de outros debatedores da Lógica.

O amor paterno é sublime. Ensinar responsabilidade aos filhos é mais sublime ainda. Um charme do agente 007 era ter licença para matar. Filhos de zelosos pais muito ricos receberam a mesma chancela?

O juiz não pode recomendar aulas de Lógica elementar para pai e filho?

Evitei fulanizar o episódio. Acho tudo muito triste. Uma vida humana foi perdida.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Anchieta Rolim 20 de março de 2012 18:02

    Marcos, gostei muito desse texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo